Revista MultiAtual - ISSN 2675-4592

A IMPORTÂNCIA DAS RELAÇÕES INTERPESSOAIS NA GESTÃO DE CONFLITOS: O AMBIENTE DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO

Janaína Chagas da Silva

Administradora Pública. Pós Graduanda em Gestão de Instituições Federais de Educação Superior pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

 

Mabel Melo Sousa

Mestre em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará (2009). Especialista em Família, Uma Abordagem Sistêmica, pela Universidade de Fortaleza (2008). Especialista em Saúde da Família pela Escola de Saúde Pública do Ceará (2014).

 

 

RESUMO

Este artigo tem como tema a importância das relações interpessoais na gestão de conflitos: o ambiente de trabalho no setor público. Como objeto de estudo, abordou-se uma situação que, geralmente, atrapalha o andamento dos trabalhos que é o conflito no ambiente de trabalho do serviço público. Partiu-se de conceitos oriundos do direito administrativo, que tem por objeto os órgãos, agentes e pessoas jurídicas administrativas que integram a administração pública, a atividade jurídica não contenciosa que exerce, e os bens de que se utiliza para a consecução de seus fins, de natureza pública. Utilizou-se da metodologia de análise da literatura, com busca em livros sobre direito e administração, artigos e dissertações encontrados em sites confiáveis e tudo foi referenciado ao final desse trabalho. Concluiu-se que no ambiente de serviço público, assim como no privado, ocorrem conflitos e cabe ao líder da equipe minimizar seus efeitos maliciosos e motivar a equipe com os efeitos benignos.

Palavras chave: Administração Pública. Conflito. Liderança. Relações interpessoais.

 

ABSTRACT

This article deals with the importance of interpersonal relations in conflict management: the working environment in the public sector. As object of study, it was approached a situation that, generally, hinders the progress of the work that is the conflict in the work environment of the public service. It was based on concepts derived from administrative law, which has as its object the administrative organs, agents and legal entities that make up the public administration, the non-contentious legal activity that it exercises, and the assets used to achieve its purposes, public in nature. We used the methodology of literature analysis, searching books on law and administration, articles and dissertations found in reliable sites and everything was referenced at the end of this work. It was concluded that in the public as well as the private environment, conflicts occur and it is up to the team leader to minimize their malicious effects and motivate the team with the benign effects.

 

Keywords: Public Administration. Conflict. Leadership. Interpersonal Relations.

 

1       Introdução

Este artigo aborda o conceito descritivo, que abrange a administração pública em sentido objetivo e subjetivo. Desta forma, o direito administrativo é o ramo do direito público que tem por objeto os órgãos, agentes e pessoas jurídicas administrativas que integram a administração pública, a atividade jurídica não contenciosa que exerce, e os bens de que se utiliza para a consecução de seus fins, de natureza pública. (DI PIETRO, 2002).

Buscou-se neste estudo responder à questão: “É possível ao gestor minimizar os conflitos existentes nas relações interpessoais dentro de uma organização pública, sem ferir os princípios legais?”

Para responder a este questionamento foi preciso definir, no ramo do direito público, os órgãos, agentes e pessoas jurídicas administrativas que integram o direito público e analisar os princípios da administração pública; verificar como a liderança é exercida na função administrativa; e apresentar formas de minimizar os conflitos.

O objetivo desta pesquisa foi demonstrar de forma pontual os aspectos e características que envolvem a gestão de conflitos e o foco principal foi a administração pública. Pesquisar arduamente acerca dos dois temas e mostrar de qual maneira estes podem influenciar nas relações interpessoais ou ao contrário como as relações interpessoais podem influenciar na gestão de conflitos.

Este trabalho está fundamentado em referências bibliográficas como livros, artigos, revistas e sites voltados para o tema. Desta forma foi efetuado um levantamento e análise do material com o intuito de selecionar os de real relevância para o desenvolvimento da pesquisa.

A metodologia utilizada foi a análise da literatura, com o objetivo de fornecer meios para se responder à questão que norteia este estudo. Utilizou-se como base principal para a compilação dos dados, a pesquisa bibliográfica, que segundo Vergara (2004, p.46) representa: “o estudo sistematizado desenvolvido com base em material publicado em livros, revistas, jornais, redes eletrônicas, isto é, material acessível ao público em geral.”

Este estudo poderá abrir novos caminhos para os gestores públicos, que ao conhecer melhor os caminhos a seguir, poderão melhorar a sua gestão.

2       Desenvolvimento
2.1      Fundamentação Teórica
2.1.1    Administração Pública

Segundo Di Pietro (2002), a principal diferença entre a forma de gerir uma empresa privada e uma pública se encontra nas prerrogativas e restrições próprias do regime jurídico administrativo, como auto executoriedade, tutela, possibilidade de alteração e rescisão unilateral dos contratos, impenhorabilidade de seus bens, juízo privativo, imunidade tributária, sujeição à legalidade, à moralidade, à licitação, à realização de concursos públicos.

Em Cunha Junior (2017), encontra-se o conceito de administração pública, também no sentido subjetivo e objetivo:

Administração pública corresponde à face do Estado (o Estado-Administração) que atua no desempenho da função administrativa, objetivando atender concretamente os interesses coletivos.

A administração pública pode ser concebida num duplo sentido:

a) Sentido subjetivo, formal ou orgânico; e

b) Sentido objetivo, material ou funcional. (CUNHA JUNIOR, 2017, p.26)

Carvalho Filho (2011) explica que não existe consenso na literatura jurídica sobre expressão “administração pública” uma vez que administrar um estado exige do gestor um conhecimento vasto sobre uma “extensa gama de tarefas” e um número enorme de “órgãos e agentes públicos incumbidos de sua execução”. “Exatamente por isso é que, para melhor precisar o sentido da expressão, devemos dividi-lo sob a ótica dos executores da atividade pública de um lado, e da própria atividade, de outro”. (CARVALHO FILHO, 2011, p.35).

Neste sentido, o Estado como pessoa jurídica, é gerido por pessoas físicas, cada um com uma função dentro de um quadro definida e espalhada por repartições internas que constituem os órgãos públicos. (CARVALHO FILHO, 2011,p.36).

 É dentro deste contexto que alguns autores citados neste estudo dão ao vocábulo administração, no direito público, conceitos no sentido amplo para abranger a legislação e a execução. A Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 (CF/88) assim dispõe, in verbis:

Art. 37 - A administração pública direta, indireta ou fundacional, de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade. (BRASIL, 1988, artigo 37, caput; [...]).

Os princípios são as partes em que se fundamenta o ordenamento jurídico que se estuda mais adiante. No direito administrativo brasileiro ainda não existe codificação para o direito administrativo e neste contexto, Mazza (2013) explica que isto faz com que as funções do gestor público sejam desempenhadas de acordo com leis de outros ramos onde cabem os princípios. Mas a CF/88, de maneira inovadora em relação às constituições anteriores, elenca os princípios básicos que norteiam a administração pública direta e indireta no art. 37. (BRASIL, 1988).

Também Dias (2012) explica que:

Princípios são os alicerces de uma ciência. São os parâmetros para a interpretação do conteúdo das demais regras jurídicas. É a proposição básica fundamental que alicerça o sistema jurídico.

Os Princípios têm um conteúdo indeterminado, variável e dotado de abstração.

Não existe hierarquia entre os Princípios, o que existe é uma maior ou menor aplicação diante de certa situação. (DIAS, 2012, p.22)

Di Pietro (2002, p.52) relata que os princípios são de elaboração pretoriana e para a administração “representam papel relevante [...] permitindo à administração e ao judiciário estabelecer o necessário equilíbrio entre os direitos dos administrados e as prerrogativas da administração”.

Dentro deste contexto, é importante que gestor esteja a par de toda a legislação para exercer uma liderança eficaz e eficiente.

2.1.2    Liderança

O recurso mais valioso de uma organização são os seus colaboradores, dentre esses, os líderes são os responsáveis por uma gestão dinâmica e eficaz, afinal, é a eficiência do líder que promove as habilidades de seu grupo. Portanto, cabe aqui fazer a diferenciação entre liderança e gerenciamento: o líder depende da aceitação do grupo e o gerente, na maioria das vezes, é imposto e fixa suas ideias movido pela autoridade que o cargo lhe confere. Liderar é a habilidade de exercer influência e ser influenciado pelo grupo, através de um processo de relações interpessoais adequado para a consecução de um ou mais objetivos comuns a todos os participantes (KRAUSE, 1999).

Liderar exige uma atuação com base em um conjunto de atitudes, habilidades e decisões, é a arte de conduzir o grupo para que faça o que é necessário por livre e espontânea vontade. É conseguir que seus liderados queiram fazer o que precisa ser feito, com comprometimento eficiência e força de vontade. (CHIAVENATO, 2006). Para Krause (1999):

[...] liderança pode ser definida como o desejo de controlar eventos, a sabedoria de indicar uma rota a ser seguida e o poder de fazer com que uma ação seja realizada, usando cooperativamente as capacidades e habilidades de outras pessoas. Os objetivos e os requisitos de uma liderança forte e efetiva são hoje os mesmos de há 2.500 anos, quando viveram Sun Tzu e Confúcio. (KRAUSE, 1999, p. 45).

Existem, portanto, diferenças claras entre um gerente que é apenas um chefe e um gerente que também tem força de liderança, pois, nem todo chefe é líder. Poderá ser um líder, dependendo de como age para que o grupo atinja seus objetivos. (KRAUSE, 1999).

O gerente ou líder, como é comumente chamado, desenvolve a identificação dos objetivos dos clientes, cativa (ou não) os colegas de trabalho, faz planejamentos futuros, identifica os fatores críticos de sua organização e assume riscos. (MACÊDO, 2005).

No ambiente organizacional se descortinam cenários onde a legitimação do poder implicam diferentes papéis que ora se mesclam, ora se confundem, dependendo do grau de abrangência de sua atuação e do fato de terem sido ou não formalmente designados. (MACÊDO, 2005, p.110).

Neste sentido, o gestor líder percebe o ser humano em suas qualidades mais importantes para cada atividade, conhece os recursos tecnológicos, físicos e financeiros necessários para colocar a instituição em evidência. Na CF/88 diz que,

Art. 39 A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios instituirão, no âmbito de sua competência, regime jurídico único e planos de carreira para os servidores da administração pública direta, das autarquias e das fundações públicas. 

[...]

§ 2o A União, os Estados e o Distrito Federal manterão escolas de governo para a formação e o aperfeiçoamento dos servidores públicos, constituindo-se a participação nos cursos um dos requisitos para a promoção na carreira, ou contratos entre os entes federados.

No entanto, o poder do líder é derivado de um cargo, e, portanto, não necessita do consentimento de seus liderados, mas isto não o impede de conquistar a confiança de todos, aliás, é o que o líder deve fazer constantemente, ou seja, conquistar a confiança de sua equipe de forma a direcionar o grupo para o alcance de resultados comuns (MACÊDO, 2005).

Para Bergamini (2009, p.9), a liderança “se configura como uma relação entre duas ou mais pessoas que supostamente exercem entre si uma ação de influência mútua”. Para Limongi-França e Arellano (2002, p. 259), “liderança é um processo social no qual se estabelecem relações de influência entre pessoas. O núcleo desse processo de interação humana é composto do líder ou líderes, seus liderados, um fato e um momento social”.

A partir destas definições, verifica-se que a liderança é uma relação social e interpessoal de influência intencional, entre líder e liderados visando o alcance de objetivos, na qual ocorrem trocas sociais em que o líder obtém autoridade mediante seu reconhecimento e aceitação pelo liderado pois é considerado alguém que traz benefícios (não somente materiais) à organização, ao grupo ou a cada pessoa. A relação de influência é um processo que não depende somente da vontade do líder, mas é o resultado da soma desta com imagens, desejos e crenças compartilhadas pelos liderados (DAVEL; MACHADO, 2001).

2.1.3    Relações interpessoais

Para entender o conceito de relações interpessoais, é necessário, em primeiro plano, definir o termo, as condutas e os fatores determinantes. As relações interpessoais têm como fundamento o respeito. Então se pode dizer que as relações interpessoais ocorrem da aceitação do outro. (KUNSCH, 2003).

As relações interpessoais, segundo Kunsch (2003), se iniciam nas organizações a partir de um sistema formal de comunicação, que inclua todos os canais e meios de comunicação estabelecidos de forma consciente e deliberada. Fazem parte da comunicação formal, o conjunto de informações impressas, visuais, auditivas, eletrônicas, telemáticas que expresse ordens, comunicados, medidas, portarias, recomendações, pronunciamentos, discursos que venham da administração para os funcionários, ou em que todos possam se comunicar.

Acrescenta ainda, Kunsch (2003) que o sistema informal de comunicação emerge das relações sociais entre as pessoas e tem como produto, o boato ou rumor, a conversação livre, a internet, e deve ser canalizada para o lado construtivo de forma a facilitar o convívio e a gestão das pessoas com vistas em uma administração participativa e um clima organizacional ameno e produtivo, que permita ao gestor fazer com que os conflitos gerem maior produtividade e eficiência.

2.1.4    Gestão de Conflitos

O termo “conflito”, do latim conflictus, constitui, segundo Berg (2012), o choque entre duas ideias diferentes, e entre grupos ou pessoas, que brigam entre si para fazer valer aquilo que acredita ser a verdade. Para ele, “o conflito nos tempos atuais é inevitável e sempre evidente. Entretanto, compreendê-lo, e saber lidar com ele, é fundamental para o seu sucesso pessoal e profissional”. (BERG, 2012, p.18).

Em muitas situações, o conflito impulsiona mudanças, como indica Chiavenato (2004): “o conflito é muito mais do que um simples acordo ou divergência: constitui uma interferência ativa ou passiva, mas deliberada para impor um bloqueio sobre a tentativa de outra parte de alcançar os seus objetivos”. (CHIAVENATO, 2004, p. 416).

Os conflitos são, geralmente, consequência de comunicação ineficaz, de mudanças bruscas sem prévia comunicação e até de treinamento dos servidores, como exemplo, para a utilização de novas tecnologias. Neste sentido, Moscovici (2001) explica que:

A maneira de lidar com diferenças individuais, cria um certo clima entre as pessoas, e tem forte influência sobre toda vida em grupo, principalmente nos processos de comunicação, no relacionamento interpessoal, no comportamento organizacional e na produtividade. (MOSCOVICI, 2001, p. 35).

Esses conflitos podem ser racionais ou emocionais e com forte tendência a serem improdutivos, se o líder não direciona-los aos fatos que o provocam, mas sim às pessoas, torna, assim, o ambiente desequilibrado e desprovido de criatividade. (MOSCOVICI, 2001)

Segundo Torquato (1991), cabe ao líder manter o ambiente interno saudável, com reconhecimento e respeito da cultura de cada membro. A qualidade de um ambiente interno de uma organização é resultante do comportamento e conduta dos seus membros, serve como uma base para interpretar a situação e age, também, como uma fonte de pressão direcionando as atividades, não se discute que “entre os maiores desajustes que se observam no processo administrativo está o descompasso entre decisões normativas e as realidades culturais que identificam a personalidade da comunidade interna”. (TORQUATO, 1991, p.3).

É o clima organizacional ameno que estimula boas relações entre os funcionários; estabelece uma rede de princípios que elevam a moral entre os profissionais internos e externos e os põe a par de formas objetiva, prática e simples sobre as decisões e objetivos da empresa. (MARCHIORI, 1995). De acordo com Marchiori (1995), manter este clima saudável, é responsabilidade da comunicação que “é como a corrente sanguínea de um organismo, que supre cada órgão de oxigênio” (MARCHIORI, 1995, p.62), então, sem ela os funcionários são intoxicados por uma avalanche de boatos e conversas que contaminam o ambiente e aumentam os conflitos.

O mesmo autor fala ainda que a Comunicação Interna, além de desenvolver talentos e fortalecer o vínculo do colaborador com a empresa melhorando o clima organizacional, evita desvios de informação, cria uma cadeia de responsabilidades e capacita o colaborador como um multiplicador consciente dos princípios e dos objetivos da empresa. Bem gerenciada, a comunicação interna estabelece e cristaliza, como prática permanente, o diálogo entre empresa e colaboradores, fortalece o relacionamento entre a direção e o corpo funcional, e entre os próprios funcionários.

A falha na comunicação interna resulta em execução de tarefas erradas ou até mesmo de desligamentos sem fundamento, como explica Valsani (1997):

Isto implica em ter um discurso coerente com as ações. Significa dar espaço à iniciativa alheia. Significa empowerment para usar uma expressão da moda. Significa gerar um clima de confiança interna, que vai ser auto-alimentador de todo este processo. E todos os instrumentos de comunicação atualmente em uso refletem esta postura. (VALSANI, 1997, p. 178-88)

Embora o clima seja percebido por indivíduos de dentro do ambiente de trabalho, ele existe independentemente destas percepções e é considerado um atributo da organização. Assim, como um atributo da organização, o clima tem sido identificado como uma variável importante nos diagnósticos que pretendem entender e interferir na performance e nos esforços para a inovação. (VALSANI, 1997).

2.2      Metodologia

Nesse estudo foi utilizada a metodologia de análise da literatura realizada em livros de direito e de administração, artigos de revistas on line, monografias, dissertações e legislações.

Buscou-se os artigos on line em sites confiáveis como o Scielo, em páginas do governo federal como a do senado e no Google acadêmico usando os descritores como (Administração Pública, Conflito, Liderança, relações interpessoais). Foram extraídos cerca de 30 artigos, com no máximo 20 anos de publicação, os critérios adotados para a pesquisa foi a presença dos descritores, o critério utilizado para a inclusão foi a abordagem de definições e conceitos que importam ao estudo. E a exclusão se deu a partir da leitura e da abordagem de temas que não se inserem na temática deste estudo.

Do ponto de vista de Gil (2009), a pesquisa bibliográfica é aquela que foi elaborada a partir de material já publicado, constituído principalmente de livros, artigos de periódicos e material disponibilizado na Internet como teses, dissertações e artigos. Neste contexto, a estratégia utilizada foi a da análise da literatura, pois o tema escolhido exige que os documentos existentes sejam profundamente estudados. A pesquisa de cunho qualitativa considera que há uma relação dinâmica entre o mundo real e o sujeito, isto é, um vínculo indissociável entre o mundo objetivo e a subjetividade do sujeito que não pode ser traduzido em números.

Após a definição do tema e o levantamento do material bibliográfico, foi efetuado um estudo com o intuito de desenvolver o relatório final da pesquisa.

O método utilizado para este trabalho limitou-se em abordar os conceitos. No decorrer da pesquisa, com relação ao material bibliográfico, foram encontradas limitações acerca da relação entre a gestão de conflitos na rede pública, pois este dispõe de pouca diversidade de fontes de pesquisa.

2.3      Resultados

Ao se retomar a pergunta que motivou essa pesquisa: “É possível ao gestor minimizar os conflitos existentes nas relações interpessoais dentro de uma organização pública, sem ferir os princípios legais?” E após análise bibliográfica apresenta-se os resultados obtidos.  

É possível concordar com a visão de Di Pietro (2002) quando afirma que a administração no setor público tem o mesmo conceito no setor privado, no entanto, a administração pública está vinculada aos princípios previstos na CR/88. E neste contexto produz um efeito negativo, quando a liderança tem na sua nomeação, apenas motivação política, sem a devida comprovação da capacitação para a função de liderança.

No entanto, um gestor público escolhido pela sua capacidade, consegue manter a sua equipe unida e produtiva, sem contrariar nenhum dos princípios, pois conforme a legislação vigente, o agente público deve fazer tudo conforme a lei exige e obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade, ou seja nada impede que sejam tratados com respeito e humanidade.

3       Conclusão

Concluiu-se com o estudo que o servidor público, assim como o empregado privado precisam de um ambiente saudável com liberdade para expor suas ideias e exercer sua função. Os conflitos sempre acontecem onde mais de duas pessoas trabalham, no entanto, é possível que o gestor consiga minimizar os conflitos existentes nas relações interpessoais dentro de uma organização pública e ainda converter os conflitos em motivação para alavancar a produtividade.

Dentro deste contexto, os gestores, para minimizar os conflitos existentes nas relações interpessoais dentro de uma organização pública, sem ferir os princípios legais, precisam estar cientes da legislação vigente, e fazer o necessário, sem contudo ferir os princípios. Para autores como Di Prieto (2002) Cunha Júnior (2017) e Carvalho Filho (2011), as prerrogativas e restrições são a principal diferença existente entre empresa privada e a Pública.

No entanto, uma liderança eficaz é possível, mesmo com a exigência de obediência aos princípios como o da legalidade, que o agente só pode fazer o que está disposto na lei, como por exemplo, não dificultar a concessão de direitos, como a licença, permitir que façam cursos e treinamentos nas escolas de governo facultando, para isso, a celebração de convênios. São, ações simples, e legais (BRASIL, 1988) que podem conquistar o servidor e aumentar a sua produtividade.

Autores de administração, com Chiavenato (2004/2006), Krause (1999), Macedo (2005) Bergamini (2009), Limongi-França e Arellano (2002) afirmam que o líder precisa exercer a habilidade de influenciar, mas que precisa se deixar influenciar pelas boas ideias. Ainda, que precisa saber conduzir sem interferir na liberdade de cada um, conseguindo assim um alto nível de comprometimento, pois conhece os desejos e as necessidades de sua equipe. Mesmo recebendo o poder derivado de um cargo e não necessitar do consentimento de seus liderados, para fazer qualquer coisa, não existe impedimento para que ele consiga conquistar a confiança de todos, pois são suas ações que influenciam os seus liderados; tornando a sua liderança uma relação social alimentada pelas ações e relações interpessoais.

As relações interpessoais exercem papel fundamental no exercício da liderança, mesmo em um ambiente onde o poder público é exercido por leis. Nada impede ao líder dar feedback, criar lista de aniversários do mês e promover uma pequena reunião de confraternização para eles, transformar os conflitos em disputas saudáveis, mudando o polo negativo para o positivo.

Assim então, conclui-se que os objetivos foram alcançados e a resposta a questão que norteou o estudo encontrou respaldo. O que não impede que outros pesquisadores aprofundem mais a pesquisa.

 

Referências

BERG, Ernesto Artur. Administração de conflitos: abordagens práticas para o dia a dia. 1. ed. Curitiba: Juruá, 2012

BERGAMINI, Cecília W. Liderança: administração do sentido. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

BRASIL, 1988. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm> Acesso em: 15 out 2019.

BRASIL, 2018. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS. Faculdade de Educação. MANUAL DE TCC: Artigo Científico. Gestão de Instituições Federais de Educação Superior. Belo Horizonte, dezembro de 2018.

CARVALHO FILHO, José dos Santos. Manual de direito administrativo. Livraria e Editora Lumen Juris Ltda. 24.ed. 2011.

CHIAVENATO, Idalberto. Administração geral e pública. 6. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006.

CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de pessoas: e o novo papel dos recursos humanos na organização. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

CUNHA JÚNIOR, Dirley da. Curso de Direito Administrativo. 16ª edição Revista, ampliada e atualizada Editora jusPodivim, 2017.

DAVEL, Eduardo; MACHADO, Hilka V. A dinâmica entre liderança e identificação: sobre a influência consentida nas organizações contemporâneas. Revista de Administração Contemporânea, v. 5, n. 3, p. 107-126, 2001.

DI PIETRO, Maria Sylvia Zanela. Direito Administrativo. 15. ed. Atlas, 2002.

DIAS, Licínia Rossi Correia. Direito administrativo I. Coleção saberes do direito, 31; São Paulo: Saraiva, 2012.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4.ed. São Paulo: Atlas, 2009.

KRAUSE, Donald. A Força de um Líder. Makron Books, 1999.

KUNSCH, Margarida Maria Krohling – Planejamento de Relações Públicas na Comunicação Integrada. Editora Summus. São Paulo, 2003.

LIMONGI-FRANÇA, Ana C.; ARELLANO, Eliete N. Liderança, poder e o comportamento organizacional. IN: FLEURY, Maria Tereza Leme. As pessoas na organização. 11. ed. São Paulo: Gente, 2002. p. 259-270.

MACÊDO, Ivanildo Izaias de Macedo. Aspectos comportamentais da gestão de pessoas. Editora FGV, 2015.

MARCHIORI, Marlene. Organização, Cultura e Comunicação: elementos para novas relações com o público interno. São Paulo, 1995, dissertação (Mestrado), Escola de Comunicações e Artes – USP MARCHIORI, 1995,

MAZZA, Alexandre. Manual de direito administrativo. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 2013.

MOSCOVICI, Fela. Desenvolvimento Interpessoal: treinamento em grupo. 9. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2001.

TORQUATO, Gaudêncio. Cultura, comunicação e imagem: fundamentos da nova empresa. São Paulo: Pioneira, 1991.VALSANI, 1997

VALSANI, Flávio. Novas formas de comunicação interna. in KUNSCH, Margarida M. K. (org.) Obtendo resultados com relações públicas. São Paulo: Pioneira, 1997,

VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 5.ed. São Paulo: Atlas, 2004.


Recebido em 25 de julho de 2020
Publicado em 28 de agosto de 2020

Como citar este artigo (ABNT)

SILVA, Janaína Chagas da. SOUZA, Mabel Melo. A Importância das Relações Interpessoais na Gestão de Conflitos: O Ambiente de Trabalho no Setor Público. Revista MultiAtual, v. 1, n.4., 28 de agosto de 2020. Disponível em: https://www.multiatual.com.br/2020/08/a-importancia-das-relacoes.html
A IMPORTÂNCIA DAS RELAÇÕES INTERPESSOAIS NA GESTÃO DE CONFLITOS: O AMBIENTE DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO A IMPORTÂNCIA DAS RELAÇÕES INTERPESSOAIS NA GESTÃO DE CONFLITOS: O AMBIENTE DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO Reviewed by Revista MultiAtual on agosto 14, 2020 Rating: 5
Tecnologia do Blogger.