Revista MultiAtual - ISSN 2675-4592

DESAFIOS À PROMOÇÃO DA MOBILIDADE INTERNACIONAL NO NÍVEL DA GRADUAÇÃO

Pedro Henrique Oliveira Fiuza Costa

Graduação em Direito pela UFMG. Pós-Graduação lato sensu em Gestão de Instituições Federais de Educação Superior, pela Faculdade de Educação da UFMG.

 

Mabel Melo Sousa

Mestre em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará (2009). Especialista em Família, Uma Abordagem Sistêmica, pela Universidade de Fortaleza (2008). Especialista em Saúde da Família pela Escola de Saúde Pública do Ceará (2014).

 

 

Resumo

Este projeto visa a promover uma investigação sobre meios de favorecer a mobilidade internacional de estudantes de graduação da UFMG, em um contexto de ampliação do número de convênios e de vagas, mas restrição de recursos orçamentários. Será realizada uma pesquisa, junto à comunidade discente de graduação, acerca das motivações para a mobilidade, e dos principais desafios que se colocam no caminho dos estudantes. A pesquisa ocorre no marco de diversos estudos realizados entre os discentes de outras universidades brasileiras, relativos à implementação de programas de mobilidade internacional (em particular, do Programa Ciências sem Fronteiras); e do Guia “CAMINOS: Enhancing and Promoting Latin American Mobility”, um projeto Erasmus+ para capacitação na área do ensino superior. Desta forma, temos em mente: favorecer o diálogo e a participação da comunidade discente no processo de internacionalização da Universidade; diagnosticar a efetividade das políticas atualmente adotadas na condução dos processos de intercâmbio; buscar alternativas com melhor relação custo-benefício para fomentar as mobilidades; oferecer aos discentes uma experiência mais agradável e proveitosa, pessoal e academicamente; e estender as oportunidades de intercâmbio a um número maior de estudantes, otimizando o aproveitamento das vagas já ofertadas.

 

Palavras-chave: Intercâmbio; Internacional; Mobilidade; Graduação.

 

Introdução

 

Por “mobilidade internacional no nível da graduação”, tema central deste projeto, consideramos o período de estudos de graduação realizados em uma instituição estrangeira, normalmente, de seis meses ou um ano, de modo que disciplinas cursadas no exterior sejam consideradas para a integralização dos créditos acadêmicos devidos pelo estudante para a sua formação, mas sem que haja a expectativa, por parte do estudante ou da instituição de origem, de obtenção de grau ou diploma emitido pela instituição anfitriã[1].

Dada a complexidade do tema, e para melhor delimitar o escopo da pesquisa, trataremos, mais especificamente, da mobilidade “outgoing” (isto é, a partida de estudantes da UFMG para instituições de ensino superior estrangeiras), por meio do Edital Unificado para Mobilidade Internacional. Tal edital é adotado como meio de seleção para os programas Minas Mundi, Escala Estudantil (da Associação de Universidades do Grupo Montevidéu - AUGM), Programa de Mobilidade Acadêmica Regional para Cursos Acreditados (MARCA), Santander Ibero-Americanas, e demais oportunidades de intercâmbio que forem ofertadas para discentes de graduação da UFMG[2].

Julgamos que a referida mobilidade é uma oportunidade valiosa posta à disposição dos estudantes da UFMG, na medida em que oferece benefícios acadêmicos, profissionais e pessoais (ARCHANJO, 2016).

Entre os benefícios acadêmicos, podemos citar a possibilidade de os estudantes realizarem parte de seus estudos em instituições de prestígio internacional, aprimorarem a sua proficiência em idiomas estrangeiros, e experimentarem técnicas didáticas diferentes daquelas praticadas no Brasil (por vezes, passando a encarar o processo pedagógico de modo mais crítico, e desenvolvendo a capacidade para estudar de forma mais autônoma).

Com relação aos benefícios profissionais, a experiência no exterior pode contar como um diferencial no currículo do estudante, especialmente tendo em vista as condições cada vez mais competitivas do mercado de trabalho. Nota-se que este desenvolvimento acadêmico e profissional não interessa apenas ao estudante, mas à sociedade de modo geral, já que favorece o progresso científico e tecnológico, e o ganho de competitividade do país (FELTRIN, 2016).

Finalmente, no que tange aos benefícios pessoais, cabe mencionar que o estudante terá a possibilidade de estar em contato com culturas diferentes (não só aquela do país anfitrião, mas também, a de outros estudantes intercambistas, de diversas nacionalidades, com os quais o aluno se relaciona durante o período de mobilidade); ademais, para muitos estudantes da UFMG, o intercâmbio é a primeira experiência de viagem internacional e/ou de afastamento da família por um longo período de tempo.

 

Nos últimos cinco anos, em meio à grave crise econômica e financeira que afeta o país, a Universidade Federal de Minas Gerais tem sido forçada a limitar o financiamento de diversas atividades, inclusive aquelas que poderiam impulsionar o seu processo de internacionalização[3].

Entre estas atividades, poderiam ser citados o envio de missões ao exterior, para divulgar os cursos oferecidos e as pesquisas conduzidas pela UFMG; a realização de eventos para receber missões estrangeiras; a organização de palestras e workshops sobre internacionalização, tendo como público-alvo a comunidade discente e docente; a concessão de bolsas para a mobilidade internacional (de entrada e saída) de estudantes de graduação, pós-graduação, professores e pesquisadores; a expansão do número de vagas e de bolsas para os cursos de línguas estrangeiras realizados pela Universidade; o desenvolvimento de cursos de verão e disciplinas ministradas em idiomas estrangeiros, particularmente em inglês; e a concessão de gratuidade ou de descontos, em benefício de estudantes estrangeiros, para o uso dos restaurantes universitários e da residência estudantil, tendo em vista atrair um maior número desses alunos e fornecer a eles uma experiência mais confortável no Brasil[4].

Apesar do obstáculo orçamentário, observa-se que, neste mesmo período, a UFMG expandiu consideravelmente o número de parcerias internacionais, inclusive, com relação ao número de vagas e instituições disponíveis para a mobilidade discente no nível da graduação[5]. A título de exemplo, entre dezembro de 2015 e setembro de 2019, o número de convênios que abarcam o intercâmbio de estudantes de graduação passou de 169, com instituições de 45 países, para 266, com instituições de 56 países.

 

Nos últimos anos, infelizmente, observa-se um sub-aproveitamento considerável das vagas oferecidas. A cada ano, o número de inscritos para programas de mobilidade internacional, frequentemente, chega a ser menor que o número de vagas ofertadas. No ano de 2018, por exemplo, foram aproveitadas apenas 236 das 681 vagas oferecidas. Ademais, dos estudantes de graduação que participaram da mobilidade, nenhum aproveitou vagas ofertadas no Japão, Áustria, Rússia ou San Marino.

Não se trata de um problema apenas da Universidade Federal de Minas Gerais, do Brasil, ou mesmo, de um contexto de crise econômica e financeira. Segundo a “Pesquisa Regional sobre Internacionalização da Educação Terciária na AL e no Caribe”, realizada em 2016 pelo Observatório Regional sobre Internacionalização e Redes em Educação Terciaria (OBIRET), apesar do aumento relativo do número de matrículas na educação superior e dos esforços realizados pelas instituições, organismos internacionais e Estados, a taxa de mobilidade internacional na América Latina continua sendo relativamente baixa.

Ainda segundo essa pesquisa, o processo de internacionalização na região avançou nos últimos anos, e entre as conquistas atingidas estão a crescente importância da internacionalização nas agendas e prioridades institucionais; houve uma revalorização, ainda que limitada, das estruturas de gestão na hierarquia institucional; um aumento significativo no número de programas e atividades de internacionalização, principalmente na linha da formação internacional de recursos humanos no âmbito da pós-graduação, em mobilidade de acadêmicos e estudantes de graduação, na participação em redes internacionais de pesquisa, e em programas de cooperação intrarregional; bem como notáveis esforços para melhorar o nível de domínio de outros idiomas.

Deste modo, e levando em conta que, até o presente momento, o número de convênios internacionais e o de vagas de intercâmbio continuam em expansão, coloca-se a questão a respeito de como a Diretoria de Relações Internacionais da UFMG poderia contribuir para aproveitar um percentual mais elevado das vagas oferecidas em programas de mobilidade internacional no nível da graduação.

 

O sub-aproveitamento das vagas de intercâmbio colocadas à disposição dos estudantes é lamentável, não apenas por consistir no desperdício de uma oportunidade, como também pelo fato de que o estabelecimento de parcerias internacionais e a negociação de vagas exigem o esforço de diversos membros da comunidade acadêmica (professores e funcionários técnico-administrativos), o qual acaba não sendo aproveitado como gostaríamos.

Neste sentido, parece-nos que uma alternativa útil e com boa relação custo-benefício para lidar com este problema seria investigar, entre diferentes setores da Diretoria de Relações Internacionais, e entre os próprios estudantes, quais seriam as razões que justificam o desinteresse ou impossibilidade de os alunos ocuparem uma parcela maior das vagas oferecidas.

Conforme trataremos mais detalhadamente, a seguir, temos uma ideia geral de algumas razões pelas quais essa situação poderia ter se configurado. Cabe, entretanto, verificar qual seria a relevância de cada fator, e se haveria outros motivos para os quais não atentamos.

É importante mencionar que há um bom número de estudos realizados no Brasil acerca dos benefícios e desafios da mobilidade internacional no nível da graduação. Neste sentido, podem ser citados artigos acerca do impacto do programa Ciências sem Fronteiras no curso de Odontologia da Universidade Federal de Santa Maria (PITHAN, 2017); sobre o desenvolvimento de habilidades e competências no estágio, via Ciências sem Fronteiras, no sistema de saúde pública da Catalunha, na Espanha, de 2018 (STEIN, 2018); acerca da experiência da mobilidade acadêmica internacional na Irlanda, por meio do programa Ciência sem Fronteiras, durante a graduação de Enfermagem, (GUSKUMA, 2016); e relativamente à mobilidade internacional na graduação em Medicina, (FERREIRA, CARREIRA, BOTELHO, 2017).

Ao mesmo tempo, cabe ressaltar que grande parte das pesquisas é bastante recente, e refere-se ao impacto do Programa Ciências sem Fronteiras, implementado pelo governo federal em 2011. Julgamos que seria pertinente atentar para os apontamentos das referidas pesquisas já realizadas, ao mesmo tempo em que conduzimos uma investigação específica relativa à situação atual da UFMG, com foco nos seus programas de mobilidade.

A realização do projeto dependeria da disponibilidade de alguns setores da Diretoria de Relações Internacionais para debater o problema e pensar em formas de incluir os estudantes na discussão, não havendo a previsão de que isso implicasse qualquer dispêndio financeiro.

O diagnóstico resultante seria útil, inclusive, para verificar quais ações concretas poderiam ser adotadas na mitigação dos problemas constatados, e ainda, para melhor orientar a política de internacionalização da Universidade nos próximos anos.

 

O objetivo geral do projeto é diagnosticar obstáculos que impeçam o aproveitamento de um percentual mais elevado das vagas de mobilidade internacional, no nível da graduação, por meio do Edital Unificado para Mobilidade Internacional, da UFMG. Dessa forma, poderíamos perceber com mais exatidão quais alternativas trariam melhor relação custo-benefício, considerando o quadro atual de escassez de recursos orçamentários.

Já os objetivos específicos consistem em aprimorar a comunicação entre diferentes setores da Diretoria de Relações Internacionais e entre esta e a comunidade discente, conforme detalhado adiante.

 

A pesquisa que se pretende conduzir é de caráter predominantemente empírico, e o seu marco teórico é composto, sobretudo, por relatórios da Diretoria de Relações Internacionais apontando o número de convênios internacionais, de vagas oferecidas e de instituições conveniadas, entre outros dados pertinentes; e pela bibliografia da disciplina de Metodologia Científica do curso de pós-graduação “lato sensu” em “Gestão de Instituições Federais de Educação Superior”, promovido pela Faculdade de Educação da UFMG.

A orientação fornecida pela referida bibliografia diz respeito à conceituação e caracterização da pesquisa científica, em particular, do projeto de intervenção, e de certos cuidados que devem ser tomados pelo pesquisador na condução de um projeto desse tipo.

Entre estes cuidados, podem ser mencionados: a clareza, adequação formal e objetividade da linguagem adotada; o caráter metódico e racional da pesquisa, caracterizada por fases e procedimentos previamente planejados, mas passivos de revisão pelo pesquisador; a necessidade de estimular, entre os pesquisados, o interesse por colaborar com a pesquisa, e não intimidá-los; e o dever do pesquisador de se afastar de preconcepções acerca do problema investigado, e de buscar a imparcialidade e objetividade na coleta e interpretação de dados.

Ademais, a pesquisa considerou diversos artigos que tratam de desafios e benefícios da mobilidade internacional, conforme citado na justificativa. Estes textos são úteis, em particular, no sentido de que contêm relatos dos estudantes a respeito de dificuldades encontradas no processo da mobilidade. Isto fornece um balanço preliminar da situação, e auxilia na formulação das perguntas que serão apresentadas aos estudantes. Ao mesmo tempo, é bastante encorajador verificar que, mesmo com todos os obstáculos, os alunos costumam relatar que o saldo foi bastante positivo, e que a experiência será lembrada por eles por toda a vida. Isso nos estimula a buscar ampliar essa oportunidade a tantos estudantes quanto esteja ao nosso alcance.

Cabe mencionar, finalmente, o relatório “CAMINOS: Enhancing and Promoting Latin American Mobility”, o qual é um projeto Erasmus + para capacitação na área do ensino superior, cofinanciado pela União Europeia, e coordenado pela associação “Observatorio de las Relaciones Unión Europea” (OBREAL). Este relatório relaciona diversas políticas e práticas úteis para a promoção da internacionalização, com especial atenção a medidas com boa relação custo-benefício, em consideração à limitação de recursos orçamentários que muitas instituições latino-americanas enfrentam.

O relatório faz referência à “Pesquisa Regional sobre Internacionalização da Educação Terciária na AL e no Caribe”, a qual realiza um apanhado histórico dos processos de internacionalização na região, contextualiza e aborda a relevância deste processo; ademais, propõe uma matriz de políticas de internacionalização dividida em cinco eixos complementares, com diferentes graus de complexidade, e cada um deles constituído por uma série de subtópicos: 1) “Redes e convênios”, que abarca a identificação de sócios, a seleção e vinculação com sócios estratégicos, e o desenho de programas objetivos, com detalhamento claro sobre fontes de financiamento, áreas e duração das mobilidades; 2) “Logística e serviços”, que inclui a orientação dos estudantes previamente à mobilidade, apoio na obtenção de vistos, concessão de bolsas, ajuda para a hospedagem (em residência universitária, se possível), oferta de um curso do idioma da anfitriã (a ser realizado antes do intercâmbio, na instituição de origem, ou durante o intercâmbio, na anfitriã), e serviços de inserção (serviço de madrinha/padrinho, eventos culturais, e passeios guiados a festivais e pontos de interesse histórico e cultural); 3) “Reconhecimento”, que trata de acordos interinstitucionais para a validação de créditos e títulos, e para a concessão de duplo-diploma; 4) “Promoção e divulgação”, pertinente aos serviços de informação e divulgação das oportunidades de intercâmbio entre os estudantes da Universidade, além da promoção da imagem da Universidade entre as comunidades acadêmicas de suas parceiras estrangeiras; e, finalmente, 5) “Sistema de informação”, que diz respeito ao acompanhamento e avaliação periódica de resultados, e proposta de alternativas de aperfeiçoamento.

Para a implementação dessas políticas, o próprio relatório sugere uma série de atividades, como: pesquisas, grupos focais, workshops, visitas de estudos e seminários, que permitiram a construção de um quadro analítico para compreender as experiências práticas e tendências dos diferentes aspectos da mobilidade e de sua gestão. É ressaltado, inclusive, que não há apenas um modo de gerir a mobilidade ou de conduzir a internacionalização, sendo que a matriz proposta tem como fim possibilitar aos gestores identificar ferramentas que possam parecer mais apropriadas e relevantes, considerando a realidade local de cada instituição.

 

A metodologia utilizada para a coleta de dados e informações inclui reuniões informais de equipe, com a presença dos setores envolvidos na formalização de parcerias internacionais (Setor de Convênios Internacionais), na redação do Edital Unificado para Mobilidade Internacional, orientação e seleção de candidatos (Setor de Mobilidade Internacional), e na interface com a comunidade discente para a promoção de programas e eventos, além da resposta a questões gerais sobre a Diretoria (Comunicação). A partir disso, foram formulados questionários para serem respondidos pelos estudantes.

Versões destes questionários constam, neste trabalho, como Apêndice A e Apêndice B. Os modelos de questionário e o cronograma de atividades serão submetidos à avaliação do Comitê de Ética em Pesquisa da UFMG, em conformidade com a Resolução nº 466/2012, do Conselho Nacional de Saúde, que trata de pesquisas e testes em seres humanos. Isso será feito antes do início da pesquisa, e, caso necessário, serão feitas adequações adicionais ao projeto.

Então, haverá a divulgação dos questionários, por e-mail. Eles estarão disponíveis para resposta por um prazo a ser definido. Os dados coletados serão sistematizados por meio de relatórios acompanhados de tabelas e gráficos.

Com base na bibliografia mencionada ao longo deste projeto, e pela experiência do trabalho na Diretoria de Relações Internacionais, temos em mente algumas hipóteses que poderiam explicar o problema do sub-aproveitamento de vagas. Entre elas (sem a pretensão de elaborar uma lista exaustiva) podemos mencionar: a falta de informação precisa, detalhada e em tempo hábil a respeito das oportunidades de intercâmbio e das condições para pleitear uma bolsa; a insatisfação com os valores e condições para acesso às bolsas; a falta de proficiência linguística por parte dos alunos, principalmente, em línguas estrangeiras que não o inglês; a resistência dos estudantes à possibilidade de um atraso da data de sua formatura; o comprometimento dos estudantes com contratos de estágio, de trabalho e/ou de aluguel que eles não querem ou não podem rescindir, para realizar a mobilidade; comprometimentos familiares (necessidade de permanecer no Brasil para cuidar de filhos, pais, irmãos mais novos, etc.); o fato de que alguns estudantes procrastinam e postergam a sua candidatura ao processo seletivo até que, muito próximos da formatura, desistem; a carência, nos editais, de instituições ou áreas que sejam de particular interesse dos estudantes; a falta de interesse pela experiência do intercâmbio, independente das condições oferecidas; a burocracia relacionada à mobilidade (incluindo o registro do afastamento da UFMG, a obtenção de visto e de seguros, a matrícula na instituição estrangeira, e a validação de créditos junto ao Colegiado de Graduação, quando o estudante retorna à UFMG); e o medo e sentimento de insegurança dos estudantes em relação a outros desafios da mobilidade internacional (como acompanhar aulas em um idioma estrangeiro, afastar-se dos amigos e da família por vários meses, e lidar com diferenças culturais e com a possibilidade de rejeição e xenofobia no país anfitrião).

Acreditamos que todos estes fatores contribuam para o problema, mas não temos plena clareza sobre qual seria, do ponto de vista dos estudantes, a ordem de relevância destes obstáculos, ou mesmo, se haveria outros para os quais não atentamos.

No caso de estudantes em geral (que responderão o questionário apresentado no Apêndice A), será pedido para indicar, de 1 a 5, qual a relevância de cada fator, sendo 1 “pouco, ou nem um pouco relevante”, e 5 “muito relevante”; além disso, há um espaço reservado para que eles citem outros fatores que julguem pertinentes, mas que não tenham sido abordados no questionário.

Já para os estudantes que retornaram de um intercâmbio nos últimos dois anos (e que responderão o questionário indicado no Apêndice B), as questões incluem pontos como: em uma lista das instituições que mais lhe interessavam, aquela em que você foi alocado(a) estava em qual posição? Qual fator (interesse pela instituição estrangeira, pela cultura do país, recomendação de um colega ou professor, ou outro) motivou a escolha desta instituição? Caso tenha ido a uma instituição de língua estrangeira (em caso positivo, favor indicar o idioma), o nível de proficiência exigido (favor indicá-lo, também) no processo seletivo foi suficiente para acompanhar as atividades acadêmicas de modo fluido? O custo de vida na cidade anfitriã (favor indicá-la) é similar, muito mais alto, ou muito mais baixo que o brasileiro? Você recebeu auxílio financeiro da UFMG ou da instituição estrangeira? Em caso positivo, o auxílio cobriu qual porcentagem do total de gastos com alimentação, transporte e moradia? Dos créditos cursados no exterior, quantos foram reconhecidos na UFMG? Este resultado correspondeu às suas expectativas? Você está satisfeito com ele?

Considerando o número de estudantes que buscam a Diretoria de Relações Internacionais para se informar sobre a mobilidade internacional (ainda que muitos acabem por não se inscrever), de candidatos em processos seletivos, e de participantes selecionados para os programas de mobilidade, consideramos razoável a expectativa de que ao menos 200 estudantes de graduação teriam interesse em participar de uma primeira edição da pesquisa.

Não está previsto o dispêndio de recursos financeiros para a realização do projeto, bastando, para tanto, a dedicação de algumas horas do trabalho de funcionários da Diretoria de Relações Internacionais da UFMG, envolvidos na organização do processo seletivo de mobilidade internacional discente de graduação.

Finalmente, os dados coletados seriam apresentados à equipe, para conhecimento e novo debate. Sendo julgado conveniente, o mesmo processo poderia ser repetido em anos subsequentes, de modo, inclusive, a auxiliar no acompanhamento de ações voltadas para a promoção da internacionalização da universidade no nível da graduação.

 

 

Julho de 2020: Conhecimento do objeto de estudo e definição da investigação.

a)    Realização de reuniões informais de equipe, para apresentação do projeto e debate;

b)    Detalhamento do plano de pesquisa.

Agosto de 2020: Revisão e divulgação de questionários.

a)    Revisão de questionários, elaborados como Formulários Google, tendo por público-alvo os estudantes de graduação da universidade, e divulgado por e-mail;

b)    Submissão do projeto à avaliação do Comitê de Ética em Pesquisa da UFMG;

c)    Envio, por e-mail, dos questionários aos estudantes.

Novembro de 2020: Investigação, análise e compilação de dados.

a)    Exame e síntese dos dados obtidos;

b)    Análise dos dados levantados, comparando-os com as hipóteses inicialmente consideradas.

Dezembro de 2020: Elaboração e depósito do trabalho.

a)    Discussão com o orientador;

b)    Redação do texto com posterior depósito do trabalho.

 

Julga-se que ter um melhor entendimento do problema apresentado seria útil, no futuro, para a elaboração de outros projetos voltados para a mitigação dos referidos obstáculos, além de servir para melhor orientar a estratégia da Universidade na busca por parceiros internacionais.

Com relação às formas de Avaliação/Acompanhamento e Controle das ações do Projeto de Intervenção, haveria discussão do projeto com o orientador; e apresentação de um relatório final à equipe, para conhecimento e novo debate. Sendo julgado conveniente, o mesmo processo poderia ser repetido em anos subsequentes, de modo, inclusive, a auxiliar no acompanhar de ações voltadas para a promoção da internacionalização da universidade no nível da graduação.

 

 

ANDRADE, Maria Margarida de. Introdução à metodologia do trabalho científico. 3ª edição. São Paulo: Atlas, 1998.

 

Apresentação da Diretoria de Relações Internacionais da Universidade Federal de Minas Gerais. Diretoria de Relações Internacionais da Universidade Federal de Minas Gerais, 2019. Disponível em: <https://www.ufmg.br/dri/diretoria/apresentacao/>. Acessado em 20/09/2019.

 

ARCHANJO, Renato. Saberes sem Fronteiras: Políticas para as migrações Pós-modernas. São Paulo: Delta, 2016.

 

CAMINOS: Enhancing and Promoting Latin American Mobility. Caminos Project, 2019. Disponível em: <www.caminosproject.org>. Acessado em 15 de outubro de 2019.

 

Com as despesas de agosto executadas, UFMG trabalha pelo desbloqueio orçamentário. Universidade Federal de Minas Gerais, 2019. Disponível em: <https://ufmg.br/comunicacao/noticias/com-as-despesas-de-agosto-executadas-ufmg-trabalha-pelo-desbloqueio-orcamentario>. Acessado em 20/09/2019.

 

ECO, Umberto. Como se faz uma tese. 15ª edição. São Paulo: Perspectiva, 1999.

 

Edital unificado para participação em programas de mobilidade internacional – Edital 004/2019. Diretoria de Relações Internacionais da Universidade Federal de Minas Gerais, 2019. Disponível em: < https://www.ufmg.br/dri/edital-unificado-para-participacao-em-programas-de-mobilidade-internacional-edital-0042019/>. Acessado em 20/09/2019.

 

FELTRIN, Rebeca Buzzo; COSTA, Janaína Oliveira Pamplona da; Velho, Léa. Mulheres sem fronteiras? Uma análise da participação das mulheres no Programa Ciência sem Fronteiras da Unicamp: motivações, desafios e impactos na trajetória profissional. Campinas: Cad Pagu, 2016.

 

FERREIRA, Iago Gonçalves; CARREIRA, Luciana Brandão; BOTELHO, Nara Macedo. Mobilidade internacional na graduação em Medicina: relato de experiência. Belém: ABCS Health Science, 2017.

 

GUSKUMA EM, Dullius AAS, Godinho MSC, Costa MST, Terra FS. Internacional academic mobility in nursing education: an experience report. Alfenas: Revista Brasileira de Enfermagem. 2016.

 

Internacionalização: Relatório de Autoavaliação Institucional Primeiro Relatório do Ciclo Avaliativo 2018-21. Diretoria de Relações Internacionais Universidade Federal de Minas Gerais. Fevereiro de 2019.

 

PITHAN, Sílvia Ataide; NUNES, Marília Forgearini; PIRES, Luiza Chagas. Ciência sem Fronteiras na formação profissional: percepções de estudantes de Odontologia da UFSM. São Paulo: Revista da ABENO, 2017.

 

Programas de mobilidade voltados para estudantes de graduação. Universidade Federal de Minas Gerais, 2019. Disponível em: <https://www.ufmg.br/dri/programas/aluno-da-ufmg/>. Acessado em 20/09/2019.

 

STEIN, Caroline; CASTILHOS, Eduardo Dickie de; BIGHETTI, Tania Izabel. Desenvolvimento de habilidades e competências no estágio no Sistema de Saúde Pública da Catalunha, Espanha. São Paulo: Revista da ABENO, 2018.

 

VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e Relatórios de Pesquisa em Administração. 4ª edição. São Paulo: Atlas, 1990.


 

Apêndice A: 1º Questionário de Mobilidade Internacional de Graduação



 
Apêndice B: 2º Questionário de Mobilidade Internacional de Graduação






[1] Apresentação da Diretoria de Relações Internacionais da Universidade Federal de Minas Gerais. Disponível em: <https://www.ufmg.br/dri/diretoria/apresentacao/>. Acessado em 20/09/2019.

[2] Edital unificado para participação em programas de mobilidade internacional – Edital 004/2019. Diretoria de Relações Internacionais da Universidade Federal de Minas Gerais, 2019. Disponível em: < https://www.ufmg.br/dri/edital-unificado-para-participacao-em-programas-de-mobilidade-internacional-edital-0042019/>. Acessado em 20/09/2019.

[3] “Com as despesas de agosto executadas, UFMG trabalha pelo desbloqueio orçamentário”. Universidade Federal de Minas Gerais, 2019. Disponível em: <https://ufmg.br/comunicacao/noticias/com-as-despesas-de-agosto-executadas-ufmg-trabalha-pelo-desbloqueio-orcamentario>. Acessado em 20/09/2019.

[4] Apresentação da Diretoria de Relações Internacionais da Universidade Federal de Minas Gerais. Disponível em: <https://www.ufmg.br/dri/diretoria/apresentacao/>. Acessado em 20/09/2019.

[5] Internacionalização: Relatório de Autoavaliação Institucional Primeiro Relatório do Ciclo Avaliativo 2018-21. Diretoria de Relações Internacionais Universidade Federal de Minas Gerais. Fevereiro de 2019



Recebido em 08 de agosto de 2020
Publicado em 28 de agosto de 2020


Como citar este artigo (ABNT)

COSTA, Pedro Henrique Oliveira Fiuza. SOUSA, Mabel Melo. Desafios à Promoção da Mobilidade Internacional no Nível da Graduação. Revista MultiAtual, v. 1, n.4., 28 de agosto de 2020. Disponível em: https://www.multiatual.com.br/2020/08/desafios-promocao-da-mobilidade.html
DESAFIOS À PROMOÇÃO DA MOBILIDADE INTERNACIONAL NO NÍVEL DA GRADUAÇÃO DESAFIOS À PROMOÇÃO DA MOBILIDADE INTERNACIONAL NO NÍVEL DA GRADUAÇÃO Reviewed by Revista MultiAtual on agosto 17, 2020 Rating: 5
Tecnologia do Blogger.