Revista MultiAtual - ISSN 2675-4592

HORTA ESCOLAR COMO FERRAMENTA DIDÁTICO-PEDAGÓGICA NA REDE DE ENSINO PÚBLICA NO BREJO PARAIBANO

💢 Artigo em PDF

Robson Luis Silva de Medeiros

Pós Graduando em Gestão de Instituições Federais de Educação Superior pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).


Álvaro Carlos Gonçalves Neto

Doutor em Agronomia (Fitotecnia) pela Universidade Federal de Lavras), professor do Departamento de Agronomia da Universidade Federal Rural de Pernambuco-UFRPE, Campus Recife.


Claudia Maria Soares Rossi

Mestra em Mestrado em Educação pela Universidade Federal de Lavras, Professora Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

 

Resumo

A escola deve assumir o seu papel com trocas dos saberes e técnicas que inovem no desenvolvimento educacional e incentivem os alunos a aprenderem. São necessárias novas ferramentas educacionais que fortaleçam a comunicação no ambiente escolar e a horta escolar tem se mostrado uma excelente estratégia pedagógica para este fim, sendo um laboratório vivo dentro da própria escola. No atual cenário, são necessárias mudanças de hábitos e atitudes para a promoção da interação ser humano-ambiente no espaço escolar e nas práticas pedagógicas. A investigação por ações educacionais ligadas à sensibilização do aluno pelo meio de ações práticas, com conteúdo ligados à sustentabilidade, à qualidade dos alimentos e ao meio ambiente, vem ganhando destaque e estão presentes no processo de ensino-aprendizagem. As hortas foram implantadas nas escolas, sendo realizadas intervenções, com realização de palestras e oficinas em escolas públicas nos municípios de Solânea e Bananeiras-PB, seguindo, em parte, a metodologia descrita no Livreto UERJ/EMBRAPA. As atividades desenvolvidas nas hortas foram para benefício da merenda escolar, minimizando os gastos que as escolas tinham na compra das hortaliças, além de oferecer hortaliças frescas para os alunos. Os professores relataram que os alunos melhoraram de desempenho escolar após a implantação das hortas, as quais se tornaram um ambiente de aprendizado. A autogestão das hortas possibilitou o trabalho em conjunto e a interação dos alunos, professores e funcionários das escolas.

Palavras-chave: Escola pública; Educação Alimentar; Horta escolar.


Abstract

The school must assume its role by exchanging knowledge and techniques that innovate in educational development and encourage students to learn. New educational tools are needed to strengthen communication in the school environment and the school garden has proved to be an excellent pedagogical strategy for this purpose, being a living laboratory within the school itself. In the current scenario, changes in habits and attitudes are necessary to promote human-environment interaction in the school space and in pedagogical practices. The investigation of educational actions linked to student awareness through practical actions, with content related to sustainability, food quality and the environment, has been gaining prominence and are present in the teaching-learning process. The gardens were implanted in the schools, with interventions being carried out, with lectures and workshops in public schools in the municipalities of Solânea and Bananeiras-PB, following, in part, the methodology described in the UERJ / EMBRAPA booklet. The activities developed in the gardens were for the benefit of school meals, minimizing the expenses that schools had in purchasing the vegetables, in addition to offering fresh vegetables to the students. The teachers reported that the students improved their school performance after the implantation of the gardens, which became a learning environment. The self-management of the gardens made it possible to work together and interact with students, teachers and school staff.

Keywords: Public school; Nutrition education; School garden.

 

INTRODUÇÃO

A educação representa um importante desafio para o desenvolvimento, pois é através de sua ação educativa que as comunidades escolares buscam uma maior integração social, cultural e econômica, além de ser um veículo difusor de conhecimentos e saberes historicamente acumulados pela sociedade. Neste contexto, a escola deve assumir o seu papel como elo integrador das trocas dos saberes e técnicas que apontem para uma nova proposta de desenvolvimento.

A interação com hortas escolares se torna uma ação interdisciplinar, pois permite uma interação com diferentes disciplinas entre discentes, docentes e funcionários, aproxima a comunidade escolar do meio ambiente e incentiva os alunos ao consumo de alimentos saldáveis. Com a instalação das hortas, nos anos seguintes ela pode se tornar permanente, com a manutenção entre os professores, funcionários e alunos (MOURA, 2018) e elas podem uma interação maior entre os alunos, professores e funcionários da escola.

Desenvolver atividades didático-pedagógicas interdisciplinares, tendo uma horta escolar como ferramenta, incentiva atividades práticas, desperta novos hábitos, provoca uma influência mútua com o meio ambiente, o estímulo de produzir hortaliças, incentiva os alunos a consumir alimentos saudáveis na escola, além de estimular o cultivo de hortaliças nas suas residências, tendo um alimento saudável para ser consumido por toda a sua família, proporcionando contribuições na formação de caráter e enriquecimento de suas personalidades (DE MELO, 2019) em relação aos hábitos alimentares saudáveis.

 

REFERENCIAL TEÓRICO

 

A educação Básica apresenta constante variedade de problemas que permeiam as escolas públicas e que são referentes à falta de recursos financeiros, com constante omissão de políticas públicas para resolvê-los, atividades suplementares, para fortalecer condições o acesso e permanência do aluno na escola, alimentação, material didático, formação de professores (MOURA, 2018). Em compensação, são constantes as ações praticadas por parte dos docentes para irromper a inércia na educação pública e fortalecer o direito do cidadão à Educação (MOURA, 2018). Aulas práticas, principalmente na disciplina de ciências, podem chamar a atenção dos alunos para questões ligadas à sustentabilidade, ao meio ambiente e à alimentação saudável.

De acordo com Cribb (2010), o simples fato do docente sair da sala de aula para realizar a aula em um espaço aberto, com contato com a terra, a água, as plantas e em interação com o solo, associando com os ciclos de semeadura, plantio, cultivo, podendo debater, cuidando das plantas e colhendo-as, pode constituir-se como uma diversão, já que permite ao discente aprender a respeitar a natureza e o meio ambiente. Esta concepção segue o pensamento que declara a segurança alimentar como direito fundamental do ser humano: quando nos tornamos autossuficientes na produção de alimentos para o consumo e ainda produzimos sem nenhuma intervenção química e sem destruir a ecologia dos ecossistemas, podemos considerar que apresentamos os princípios para nossa segurança alimentar (BORBA; VARGAS; WIZNIEWSKY, 2013).

A interação entre várias disciplinas, relacionando-as com a prática e sendo discutidas entre os alunos, pode facilitar a aprendizagem e sensibilizar os alunos em tomadas de decisões. Questões ambientais e alimentares precisam ser consideradas no planejamento escolar e necessitam ser debatidas com todos que compõem a escola, mas especialmente com as crianças, para que sejam adultos com maior preocupação com o meio ambiente, além de terem interações fora da escola com a sua família e comunidade (MEDEIROS, 2011). Uma equipe multidisciplinar é composta com profissionais de diversas áreas, que juntos se empenham para atuar em casos que envolvam a sua formação profissional e/ou experiência, propondo beneficiar a coletividade (MOURA, 2018). Dentre essas ações pode estar a implantação de hortas escolares que visem, dentre outros objetivos, sensibilizar os alunos para questões ambientais e alimentares por meio de práticas pedagógicas diversas.

A implantação de uma horta no âmbito escolar é de fundamental importância para que haja sensibilização por parte dos educandos acerca do consumo de alimentos mais saudáveis, pois o que se observa cotidianamente é que eles não gostam de consumir legumes e verduras mas, ao cultivarem esses alimentos, as crianças são estimuladas a experimentá-los e a desenvolverem o hábito de consumi-los.

A implantação de hortas nas escolas beneficiará toda a comunidade escolar e as famílias que moram próximos à escola e além disso os discentes podem cooperar nas aprendizagens obtidas com a horta, com os conhecimentos formais (DE MELO, 2019) e aqueles que trazem de suas experiências sociais. De acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais, a inserção efetiva dos alunos nos processos de elaboração e manutenção de uma horta, com atividades práticas, representa importante elemento para a compreensão ativa e conceitual (SANDES, et al., 2018) dos conteúdos escolares.

Levando em conta a relação entre a população urbana e rural dos municípios, a educação ambiental elenca uma maior importância no cotidiano da rede de ensino pública. Sendo assim, o objetivo do trabalho foi implantar e acompanhar hortas escolares na rede de ensino pública de Solânea e Bananeiras, PB.

 

            MATERIAL E MÉTODOS

 

O município de Bananeiras está localizado na Microrregião do Brejo Paraibano (6° 45′ 0″ S, 35° 37′ 58″ W) e na Mesorregião do Agreste Paraibano. Está inserido na unidade geoambiental do Planalto da Borborema, formada por maciços e outeiros altos, com altitude variando entre 650 a 1.000 metros. A vegetação desta unidade é formada por Florestas Subcaducifólica e Caducifólica, próprias das áreas de agrestes com a presença de Neossolos com fertilidade variável entre média e alta (CPRM, 2005a).

O município de Solânea (6° 46′ 40″ S, 35° 41′ 49″ W) está inserido na unidade geoambiental do Planalto da Borborema, formada por maciços e outeiros altos, com altitude variando entre 650 a 1.000 metros. Ocupa uma área de arco que se estende do sul de Alagoas até o Rio Grande do Norte. O relevo é geralmente movimentado, com vales profundos e estreitos dissecados. Com respeito à fertilidade dos solos é bastante variada, com certa predominância de média para alta. A área da unidade é recortada por rios perenes, porém de pequena vazão e o potencial de água subterrânea é baixo. A vegetação desta unidade é formada por Florestas Subcaducifólica e Caducifólica, próprias das áreas de agrestes (CPRM, 2005b).

Assim, foram implantadas hortas escolares (Figura 1) e realizadas palestras e oficinas em escolas públicas nos municípios de Solânea (Escola Estadual Dr. Alfredo Pessoa de Lima) e Bananeiras-PB (Escola Estadual de Ensino Fundamental Xavier Junior), seguindo, em parte, a metodologia descrita no Livreto UERJ/EMBRAPA (2009).

Foto 1: Implantação da Horta Escolar Agroecológica na E.E.E.F. Xavier Júnior (2015).

 

            As instalações das hortas nestes munícipios foram escolhidas pela representatividade e força do setor agrícola nestas regiões. O município de Bananeiras, por exemplo, tem maior parte da população residindo na zona rural. A instalação das hortas nas escolas foi realizada nos anos de 2015, 2016 e 2017, sendo contempladas 6 escolas nos municípios, e em torno de 300 alunos do ensino fundamental e médio.

            As palestras e oficinas foram ministradas pelo orientador do projeto e por alunos dos cursos de Licenciatura em Ciências Agrárias, Bacharelado em Agroindústria e Licenciatura em Pedagogia do CCHSA/UFPB. As ações foram realizadas em aulas das disciplinas de biologia, ciências e artes, com os auxílios dos professores. Foram implantadas hortas escolares, realizadas palestras e oficinas nas escolas públicas, sendo utilizados recursos didáticos, com brincadeiras, incentivando os alunos a discutirem e a desenvolverem sua criatividade com atividades e músicas utilizadas. Com a execução do projeto a partir da esquematização e confecção da horta, possibilitou-se aos alunos visualizar detalhes que haviam passado despercebidos também durante as aulas de ciências e geografia. Antes da implantação da horta, foi feita uma apresentação do projeto e da equipe gestora da escola, com a presença de alguns professores, depois foi realizada algumas palestras e oficinas de sensibilização com as turmas, abordando a importância das hortas e o que pretendíamos desenvolver com o projeto.

            Os equipamentos utilizados para preparação das hortas foram: enxada usada para capinar e misturar o adubo orgânico, enxadão usado para cavar o local dos canteiros, rastelo utilizado na retirar o lixo que havia no local, garrafas pets para fazer os cantineiros, mangueira de jardim usada para regar a horta, esterco adubo usado na adubação da terra. Os monitores, juntamente com a comunidade escolar, iniciaram a construção da horta com a capina no terreno e retirada de lixo do local do plantio. Após isso, houve isso houve a construção dos plantios. Após isso, houve. A irrigação dos canteiros foi realizada todos os dias à tarde pelos alunos, com a colaboração dos funcionários das escolas.

No começo A primeira temática abordada com os alunos foi a educação alimentar (a importância de se alimentar bem, valor nutricional das hortaliças, como uma alimentação balanceada ajuda a ter uma dieta saudável), posteriormente foi realizadauma série de trabalhos em sala de aula sobre o planejamento para implantação da horta e conhecimentos básicos sobre as plantas (sementes, plântulas, crescimento, desenvolvimento, botânica, fisiologia, classificações). Também houveram aulas e palestras sobre introdução à agricultura e ao cultivo de hortaliças, bem como sobre meio ambiente e reaproveitamento/reciclagem (iniciou-se uma campanha para os alunos reciclarem em suas casas e de vizinhos, para reaproveitar copos descartáveis para produzir mudas, garrafas pets para hortas suspensas, lixo orgânico produzido na escola para confecção de compostagem e biofertilizante).

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

 

Várias disciplinas foram envolvidas nas práticas didático-pedagógicas: Matemática (envolvendo cálculos de área de canteiros, noções de espaço, quantificação de gasto de sementes, entre outras), Ciências (reino vegetal, valor nutricional das hortaliças, preservação ambiental, solo, micro e macrofauna, adubos orgânicos, higiene e manipulação e consumo das hortaliças), Geografia (relevo pela observação de declividade do terreno, composição do solo, fertilidade e práticas conservacionistas) e Artes (oficinas de receitas culinárias com alimentos procedentes da horta) (SANTOS et al., 2014). Após, a instalação das hortas, os professores relataram que os alunos apresentaram um melhor comportamento, prestando mais atenção na aula e relacionando os exemplos com o seu cotidiano, o que indica que o processo de ensino-aprendizagem precisa se inovar a cada dia para fortalecer a relação professor-aluno-conhecimento.

Em relação à implantação das hortas, foram produzidas mudas de alface e coentro, juntamente com as crianças, em copos descartáveis (copos solicitados e que os alunos trouxessem para reaproveitamento). Para isso, os copos foram recolhidos e furados para que a drenagem da água ocorresse de maneira satisfatória. Após, as mudas foram plantas e solicitou-se que cada um dos alunos escrevesse seu nome e o nome das espécies de plantas que iriam produzir, com intuito de cada um se responsabilizar e cuidar das suas respectivas mudas. A horta permite a concepção diferente de um espaço, que se torna participativo, onde, pode colaborar com promoção da saúde não exclusivamente dos alunos, mas também do corpo de funcionários da escola (COELHO; BÓGUS, 2016).

Na abordagem da temática meio ambiente, dividiu-se os alunos em grupos para confecção de um mural ecológico e lixeiras seletivas. Na confecção do mural foram utilizadas garrafas “pets” e rolos de papéis higiênicos trazidos de casa pelos alunos, e as lixeiras para coleta seletiva foram construídas com caixas de papelão, onde ficaram alocadas na escola para que todos utilizassem de maneira consciente. A implantação da horta permitiu a compreensão de entender a sustentabilidade por parte dos educandos e docentes da escola. Portanto, a implantação de hortas em espaços comunitários (escolas) opera como uma ampliação do espaço para se trabalhar atividades pedagógicas, possibilitando interações e possibilitando discussões integradas com todas as matérias do currículo, promovendo a interdisciplinaridade (FIALHO et al., 2019). Alguns alunos começaram, pelo efeito multiplicador, a separar o lixo reciclável em suas residências.” a separar o lixo reciclável e a utilizar o lixo orgânico como adubo.

As hortas possibilitaram o contato direto dos alunos com a terra, podendo preparar o solo, conhecer e associar os ciclos de semeadura, plantio, cultivo e ter cuidado com as plantas e colhê-las, além de ser um momento em que os alunos aprenderam a respeitar a terra. Após o processo de conscientização, os alunos das escolas perceberam a importância da horta, ajudado assim na higiene e irrigação da mesma. Foram levados para a sala de aula vídeos e imagens de alguns tipos de hortas e materiais recicláveis que poderiam ser utilizados na implantação da horta. Logo após, foi proposto aos alunos que escolhessem quais materiais iriamos utilizar nas hortas de suas perspectivas escolas. Eles escolheram garrafas pets e pneus e foram produzidas mudas de alface, coentro, cebolinha, tomate, cenoura, couve, repolho, espinafre, beterraba, cebola e berinjela.

A cada aula prática as turmas eram divididas em equipes, buscando motivar o trabalho em equipe e a interdisciplinaridade, acompanhando o desenvolvimento e crescimento dos vegetais, verificando a presença de pragas, promovendo a rega diária, enfim, observando o processo de crescimento das hortaliças. Os vegetais colhidos nas hortas foram utilizados em suas refeições e lanches, incentivando o consumo de vegetais (frutas, legumes e verduras), procurando sensibilizar os alunos sobre a importância do consumo de frutas e hortaliças também fora do ambiente escolar. A manutenção da horta foi realizada pelos educandos, educadores, bolsistas e orientador do projeto e foram capacitando educadores das escolas para utilização das hortas como ferramenta de ensino-aprendizagem. Em um estudo, os docentes afirmaram que os alunos atingiram um maior interesse às aulas quando elas se realizavam na horta (SANTOS et al., 2014).

Os estudantes de cursos de licenciatura e bacharelado levaram até os alunos das escolas princípios de horticultura orgânica, compostagem, formas de produção dos alimentos, o solo como fonte de vida, relação campo-cidade e a prática da docência através das hortas.

       As atividades possibilitaram o conhecimento e contato das crianças e adolescentes com os alimentos no seu ambiente de produção e importância dos recursos ambientais envolvidos na produção vegetal. Assim, as oficinas e a implantação e condução das hortas escolares permitiram uma reflexão da comunidade escolar sobre questões ambientais, qualidade nutricional, saúde, qualidade de vida e contato das crianças com as relações ecológicas no meio natural da própria escola, sendo também despertado nos professores o interesse de utilização das hortas escolares como ferramenta pedagógica..

É clara a importância de explorar temas ligados ao cultivo e aumento do consumo de frutas e hortaliças, uma vez que o aumento de alimentos ricos em gorduras e açúcares vem causando muitos males à saúde em pessoas com idades cada vez menores, dispondo de poucas políticas públicas destinadas para o incentivo ao cultivo de alimentos mais saudáveis. Desta forma, é importante ressaltar que, entre a alimentação adequada, sua aceitação e o entendimento de que esta é a melhor opção, há uma grande distância que certamente é diminuída quando a criança tem a oportunidade de acompanhar o cultivo do próprio alimento. Os docentes informaram que os alunos, após a instalação das hortas, passaram a consumir mais hortaliças e se preocupar com a sua saúde. Coelho e Bógus (2016) afirmam que a horta é um espaço participativo e que é um ambiente proveitoso de aprendizagem e de produção de cuidado.

O aumento da produção orgânica e agroecológica em todo o mundo é uma resposta à demanda da sociedade por produtos mais seguros e saudáveis, uma vez que o uso em larga escala de agrotóxicos propicia sérios problemas à saúde do produtor, além de ocasionar a contaminação em águas superficiais e subterrâneas, causando a morte de diversas espécies da fauna e da flora (SERAFIM; JESUS; FARIA, 2013).

A Escola apresenta um instrumento importante no processo de formação das crianças e jovens (cidadãos), tendo suas ações uma relevante consequência multiplicadora das informações para sensibilizar e contribuir para formação da consciência, no meio escolar tem-se os primeiros estímulos para a sensibilização do ser humano, a educação ambiental abrange uma ampla forma na educação, meios participativos despertam uma consciência crítica sobre os recursos ambientais e sua importância (ARRUDA; MARQUES; REIS, 2017).

É de extrema importância a realização de trabalhos educativos junto aos alunos de ensino fundamental, pois, para que a Educação Ambiental se desenvolva como processo, é essencial que exista uma sensibilização, levando os alunos a influenciarem quem estiver ao seu redor, para que as percepções, reflexões e atitudes diferenciadas sejam tomadas, fazendo com que seja despertado o sentimento de conservação do nosso ambiente desde a infância. A horta inserida no ambiente escolar tornou-se um laboratório vivo que possibilitou o desenvolvimento de diversas atividades didático-pedagógicas relacionadas também à Educação Ambiental, ao incentivo cultivo e consumo de frutas e hortaliças, bem como à união teoria e prática de forma contextualizada, auxiliando no processo de ensino-aprendizagem.

As atividades desenvolvidas na horta foram para benefício da merenda escolar, minimizando os gastos que a escola tinha na compra das hortaliças, além de oferecer hortaliças frescas para os alunos, com maior qualidade. Os alunos tiveram um papel muito importante no desenvolvimento da horta na escola através de um trabalho em equipe, desde o planejamento passando pela instalação e até o manejo da horta.

 

CONCLUSÕES

 

            Os professores relataram que os alunos melhoraram o desempenho escolar após a implantação da horta, que se tornou um ambiente de aprendizado. A autogestão da horta possibilitou o trabalho em conjunto e a interação entre os alunos, professores e funcionários das escolas. Os alunos apresentaram desempenho com a horta” por “melhorias comportamentais após a implementação da horta, adquirindo, adquirindo hábitos saudáveis, melhor relação com seus colegas e passaram a se concentrar mais nas aulas.

            A horta possibilitou uma melhor relação aluno-professor-conhecimento, facilitando suas interações em sala de aula, pois as hortas contribuem no processo de ensino-aprendizagem. A escola tem como papel principal o de contribuir para o pensamento crítico dos alunos e a horta possibilitou esse pensamento de uma conexão com o meio ambiente, os hábitos alimentares saudáveis e o efeito multiplicador das práticas didático-pedagógicas desenvolvidas.

 

REFERÊNCIAS

 

ARRUDA, R. F.; MARQUES, M. R.; REIS, J. T. Implantação de horta escolar utilizando materiais recicláveis como alternativa de ensino de educação ambiental. LINKSCIENCEPLACE-Interdisciplinary Scientific Journal, v. 4, n. 3, 2017.

 

BORBA, S. N. S.; VARGAS, D.; WIZNIEWSKY, J. G.. Promovendo a educação ambiental e sustentabilidade através da prática da agricultura de base ecológica. Revista Eletrônica do Curso de Direito da UFSM. v. 8 (2013).

 

BOTELHO, L. L. R.; ALCIONE, A. A.; ALVES, A. A. A.; EVANDRO, P. S., E. P.; Carolina, B. O, C. B. Inserção da educação ambiental em uma escola de ensino fundamental do município de cerro Largo/RS. Seminário Integrador de Extensão, v. 2, n. 2, 2019.

 

COELHO, D. E. P.; BÓGUS, C. M. Vivências de plantar e comer: a horta escolar como prática educativa, sob a perspectiva dos educadores. Saúde e sociedade, v. 25, p. 761-770, 2016.

 

CPRM - Serviço Geológico do Brasil. 2005a. Projeto cadastro de fontes de abastecimento por água subterrânea. Diagnóstico do município de Bananeiras, estado da Paraíba. João de Castro Mascarenhas, Breno Augusto Beltrão, Luiz Carlos de Souza Junior, Franklin de Morais, Vanildo Almeida Mendes, Jorge Luiz Fortunato de Miranda (Orgs.). Recife: CPRM/PRODEEM, p.21.

 

CPRM - Serviço Geológico do Brasil. 2005a. Projeto cadastro de fontes de abastecimento por água subterrânea. Diagnóstico do município de Solânea, estado da Paraíba. João de Castro Mascarenhas, Breno Augusto Beltrão, Luiz Carlos de Souza Junior, Franklin de Morais, Vanildo Almeida Mendes, Jorge Luiz Fortunato de Miranda (Orgs.). Recife: CPRM/PRODEEM, p.20.

 

CRIBB, Sandra L. de S. P. Contribuições da educação ambiental e horta escolar na promoção de melhorias ao ensino, à saúde e ao ambiente. REMPEC - Ensino, Saúde e Ambiente, v.3 n. 1 p. 42-60 Abril 2010.

 

DE MELO, JOÃO SIQUEIRA. Horta escolar, cultivar é educar. Revista Insignare Scientia-RIS, v. 2, n. 1, p. 116-126, 2019.

 

MEDEIROS, A. B. D.; MENDONÇA, M. J. S. L.; SOUSA, G. L. D.; OLIVEIRA, I. P. D.. A Importância da educação ambiental na escola nas séries iniciais. Revista Faculdade Montes Belos, v. 4, n. 1, p. 1-17, 2011.

 

MOURA, J. F. PODER JUDICIÁRIO E A GARANTIA DO DIREITO À EDUCAÇÃO BÁSICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS. Programa de Pós Graduação em Educação (Dissertação). Universidade de Uberaba, Uberlândia -MG, 2018.

 

OLIVEIRA, F.; PEREIRA, E.; JÚNIOR, A. P. Horta escolar, Educação Ambiental e a interdisciplinaridade. Revista Brasileira de Educação Ambiental (RevBEA), v. 13, n. 2, p. 10-31, 2018.

 

SANDES, S. S. L.; SOARES, J. W. B.; DE SOUZA, J. A. R.; SANTOS, C. E. C.; SANDES, Í. L. L. Horta escolar agroecológica. Brazilian Journal of Animal and Environmental Research, v. 1, n. 1, p. 188-194, 2018.

 

SILVEIRA, F. J.; FERREIRA, A. R. O.; FRAIBERG, M. Integração das práticas escolares relacionadas a educação ambiental e a formação de professores: revisão de literatura/Integration of school practices related to environmental education and teacher education: literature review. Brazilian Journal of Development, v. 5, n. 11, p. 23599-23614, 2019.

 

SANTOS, M. J. D.; DE AZEVEDO, T. A. O.; DE OLIVEIRA FREIRE, J. L.; ARNAUD, D. K. L.; REIS, F. L. A. M. Horta escolar agroecológica: Incentivadora da aprendizagem e de mudanças de hábitos alimentares no ensino fundamental. HOLOS, v. 4, p. 278-290, 2014.

 

SERAFIM, M. P.; JESUS, V. M. B.; FARIA, J. Tecnologia Social, agroecologia e agricultura familiar: análises sobre um processo sociotécnico. Segurança Alimentar e 20(Supl), 2013, p.169-181.

 


Recebido em 07 de outubro de 2020
Publicado em 27 de novembro de 2020


Como citar este artigo (ABNT)

MEDEIROS, Robson Luis Silva de. NETO, Álvaro Carlos Gonçalves. ROSSI, Claudia Maria Soares. Horta Escolar como Ferramenta Didático-Pedagógica na Rede de Ensino Pública no Brejo Paraibano. Revista MultiAtual, v. 1, n. 7, 27 de novembro de 2020. Disponível em: https://www.multiatual.com.br/2020/11/horta-escolar-como-ferramenta-didatico.html
HORTA ESCOLAR COMO FERRAMENTA DIDÁTICO-PEDAGÓGICA NA REDE DE ENSINO PÚBLICA NO BREJO PARAIBANO HORTA ESCOLAR COMO FERRAMENTA DIDÁTICO-PEDAGÓGICA NA REDE DE ENSINO PÚBLICA NO BREJO PARAIBANO Reviewed by Revista MultiAtual on novembro 15, 2020 Rating: 5
Tecnologia do Blogger.