Revista MultiAtual - ISSN 2675-4592

A AVALIAÇÃO COMO FERRAMENTA NO ENSINO-APRENDIZAGEM: UMA ANÁLISE NA REGIÃO CENTRO-OESTE MINEIRA

💢 Artigo em PDF

Adriana Augusta de Oliveira

Professora e supervisora escolar na educação básica, graduada em Letras, pós-graduada em Língua portuguesa; Supervisão e inspeção; Psicopedagogia clínica e institucional e pós-graduanda em Docência com ênfase na educação básica.

 

Helena Andrade Campos

Professora e supervisora escolar na educação básica, graduada em Letras e Pedagogia, pós-graduada em Texto e produção de sentido; Supervisão escolar; Inspeção escolar; Educação empreendedora e pós-graduanda em Docência com ênfase na educação básica.

 

 Niltom Vieira Júnior

Professor do curso de pós-graduação em Docência do IFMG-Arcos, graduado em Engenharia e em Matemática, Doutorado em Engenharia e pós doutorado em Informática.

 

 

Resumo: Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa de campo, realizada com os professores de instituições pública e privada do ensino de Educação Infantil, Fundamental 1 e 2, sobre as formas de avaliação e as contribuições no desenvolvimento do aluno e em todo seu processo de ensino-aprendizagem. Como metodologia, foi desenvolvido um questionário pelo Google forms, composto por 13 questões relacionadas ao tema. Como referencial teórico foram abordados os trabalhos de Luckesi (1999 e 2011), Pironel (2002) e Hoffmann (2009), que discutem, entre outros aspectos diferentes formas de avaliação da aprendizagem e seus resultados para o desenvolvimento do educando, mostrando que o processo avaliativo está presente na vida do ser humano desde o seu nascimento e que é por ele que o indivíduo cresce e se desenvolve ao longo de sua vida, pois o erro deve levar a reflexão e a mudança de comportamento e busca de novas estratégias para se alcançar o que se deseja e não de punição ou motivo de fracasso, principalmente no âmbito escolar, pois ele deve, sim formar o cidadão integralmente. Em linhas gerais, a pesquisa constatou que os professores têm mudado o conceito de avaliação em sua prática pedagógica, fazendo dela uma aliada no processo de ensino-aprendizagem.

 

Palavras-chave: Avaliação, ensino-aprendizagem, professores, educandos.

 

Abstract: This article presents the results of a field research, carried out with teachers from public and private institutions of Early Childhood Education, Elementary 1 and 2, on the forms of evaluation and the contributions in the student's development and in all its process teaching-learning. As a methodology, a questionnaire was developed by Google forms, composed of 13 questions related to the theme. As a theoretical framework, the works of Luckesi (1999 and 2011), Pironel (2002) and Hoffmann (2009) were discussed, which discuss, among other aspects, different ways of assessing learning and its results for the development of the student, showing that the process evaluative is present in the life of the human being since his birth and that is why he grows and develops throughout his life, because the error must lead to reflection and behavior change and the search for new strategies to reach what is desired and not punishment or reason for failure, especially in the school environment, as it should, rather, form the citizen fully. In general, the research found that teachers have changed the concept of evaluation in their pedagogical practice, making it an ally in the teaching-learning process.

 

Keywords: Evaluation, teaching-learning, teachers, students.

 

INTRODUÇÃO

 

Desde o início dos tempos, a avaliação faz parte do processo de desenvolvimento do ser humano, pois ele faz uma análise de tudo o que o envolve, sejam as pessoas, o ambiente ou as situações mais simples do dia a dia, de acordo com a necessidade de cada um. Pode-se citar desde o nascimento, o choro da criança como sendo um processo avaliativo, pois ela percebe que chorando, consegue mostrar algo que a incomoda, fazendo assim sua avaliação da situação.

No sistema educacional, é comum associar a avaliação às notas, sejam por conceitos ou valores, atribuindo a elas o desenvolvimento da aprendizagem do aluno que, muitas vezes, não é indicativo de real aprendizagem, pois as formas de avaliação seguem apenas um padrão para todos os alunos. Com isso, em algumas situações os alunos ficam prejudicados, uma vez que podem não ter conseguido resolver aquele tipo específico de questão avaliativa, mas podem ter aprendido o conteúdo e chegado à solução do problema de outra forma.

Procura-se neste projeto, analisar os pressupostos de Chueiri (2008) e Luckesi (2000, 2003), sobre o termo avaliação e qual sua concepção para que, seja feita uma comparação das práticas abordadas entre a forma tradicional -  metodologia de provas e notas - e por outro lado, a forma reflexiva, ou progressiva, em que a avaliação torna-se mais do que um simples instrumento de classificação e aferição, mas sim, um processo relevante  para o desenvolvimento do educando e  subsídio para análise do trabalho do professor.

Com base na evolução das concepções de avaliação e seu papel dentro do processo ensino- aprendizagem, faz-se necessário que o processo avaliativo seja revisado e reestruturado, tornando-se uma ferramenta não de aferição, mas sim de motivação para o aprendizado efetivo do aluno, no qual ele vai compreender o que estuda e para que estuda, criando seus próprios conceitos, com a intervenção do professor em todo o processo.

Dessa forma, Pironel (2002, p.46) propõe que a avaliação esteja presente em todo o processo de ensino-aprendizagem, por entender que a avaliação é intrínseca aos atos de ensinar e aprender, uma vez que deve favorecer a compreensão do desenvolvimento do aluno e permitir que o professor trace estratégias para o planejamento de suas aulas.

Há décadas, de acordo com Paulo Freire (1987), o professor era considerado o único detentor do saber e sua função principal era a de repassar conhecimento ao aluno de forma mecânica, sem levar o aluno a pensar por si próprio, refletir sobre os conceitos e muito menos expressar sua opinião. A aprendizagem era baseada na memorização, sendo assim o aluno que não conseguia decorar os conteúdos era tido como incapaz. Nessa perspectiva, a avaliação era baseada na capacidade de o aluno repetir os conceitos repassados, sua aprendizagem era medida em questões de erros e acertos, questionários com respostas prontas que depois de corrigidas, recebiam uma nota que iria para sua caderneta. Outra característica relevante é a periodicidade de aplicação da avaliação tradicional, que sempre ocorre em final de períodos bimestrais, semestrais ou anuais. Na avaliação tradicional, não há um olhar para o conhecimento prévio do aluno, pois ele é visto como algo em branco que vai apenas receber os conteúdos.

A avaliação mediadora, diferente da tradicional, traz uma nova maneira de se realizar a avaliação. Busca aproximar professor e aluno por meio de um diálogo que o leve a analisar sua prática pedagógica, na qual o erro é o começo para uma nova abordagem e em consequência a construção da aprendizagem pelo próprio educando a partir de seu conhecimento de mundo. Jussara Hoffman (2009) diz que, nessa proposta, o professor se dispõe a ouvir os alunos, apresentando-lhes questões que os farão refletir sobre seu desenvolvimento e o auxiliarão na construção do conhecimento, levando-o a entender o que fazer com o conhecimento adquirido.

Na avaliação mediadora, o aluno está no centro do processo de ensino-aprendizagem e o professor não é mais o único detentor do saber, devendo ser mediador do conhecimento, orientando e criando situações para que o educando desenvolva suas habilidades e competências.

 

HISTÓRICO DA AVALIAÇÃO

 

Luckesi (1995) aponta que “avaliação como sinônimo de provas e exames” acontece desde os tempos da colonização. Esse modelo de avaliação que priorizava a memorização veio para o Brasil juntamente com os jesuítas. Entre os métodos de ensino e cobranças estavam os castigos físicos e as premiações para aqueles que apresentassem boa disciplina e bom rendimento escolar e o professor era o único detentor do saber e o transmissor dos conteúdos; os alunos eram apenas os receptores desse conteúdo como se fossem caixas vazias, cabendo a eles obedecerem a todas as regras impostas.

Nesse contexto, a educação passa a ser um ato de depositar, na qual o professor é o depositante de conteúdos e os alunos meros depositários do saber. Os conteúdos são transmitidos de forma linear privilegiando a exposição oral, sem momentos de discussão e reflexão, os exercícios repetitivos são básicos para garantir a memorização e não se leva em conta a experiência de vida do educando. A avaliação nesses tempos cobrava apenas a devolução dos conteúdos depositados, não cobrava raciocínio, nem se esperava que ocorresse alguma transformação no indivíduo. Bastava o aluno ser capaz de reter os conteúdos para ter uma boa nota, não precisava, por exemplo, saber colocar em prática o que aprendera.

Luckesi (1995) afirma que assim sendo, a avaliação é realizada por meio de provas escritas e orais, exercícios e trabalhos de casa. A nota é o resultado da medida da avaliação, a punição para quem não consegue memorizar é o fracasso, sem chance de mostrar que aprendeu de outra forma. Estuda-se para obtenção da nota e não adquirir conhecimento de fato, não ocorrendo mudança alguma no educando.

A avaliação somativa consiste em classificar os alunos ao final de um período (bimestre, semestre ou ano letivo) de acordo com níveis pré-estabelcidos. Esse tipo de avaliação está muito presente nas escolas brasileiras tanto nas avaliações propostas pela própria escola, quanto pelas avaliações externas que acontecem anualmente ao final de um período, ano ou ciclo. Ela emite um resultado que situa o aluno, a escola e a rede dentro de um padrão, sem levar em conta as diferenças individuais, as múltiplas Inteligências e o conhecimento prévio do aluno cuja função é meramente medir a aprendizagem.

A avaliação formativa vai contra os métodos tradicionais de avaliação, uma vez que aqui o aluno participa do processo de avaliação, pois ele é construtor do seu conhecimento. A avaliação formativa propõe várias maneiras de avaliar, como trabalhos, seminários, trabalhos em grupo, simulados e autoavaliação. O professor deve sempre dar um retorno aos alunos, discutir com eles como será feita a avaliação, mantendo assim um diálogo claro. A avaliação formativa eleva a autoestima dos educandos e os insere em seu processo de ensino-aprendizagem, pois proporciona vários modelos de avaliação que darão chances iguais a todos de mostrarem o que de fato aprenderam, além de dar oportunidade ao professor de rever sua prática, repensar os seus métodos de ensinar e se autoavaliar.

Perrenoud (1999) diz que, neste momento, deve-se repensar e reestruturar a questão das formas de avaliar dentro da escola. Uma avaliação contínua, formativa, que vislumbre o desenvolvimento integral do aluno, é uma necessidade urgente.

A avaliação formativa oportuniza ao professor fazer um diagnóstico real de cada aluno, identificando os motivos de algo não estar dando certo, verificando o porquê de possíveis fracassos e dando a chance de mudar a estratégia de trabalho, não ficando na mesmice de sempre, pois o que deu frutos em uma turma ou com um determinado aluno, provavelmente não dará o mesmo resultado sempre. Ela não quantifica, mas qualifica o ensino-aprendizagem.

O momento da avaliação não poder ser para o aluno um momento de apreensão, no qual ele vai se sentir oprimido ou castigado, mas deve ser um momento de reflexão do que já se aprendeu, do que já se conseguiu colocar em prática e daquilo que ainda não ficou bem internalizado, é um momento para verificar se houve ou não mudança de comportamento que refletirá na sociedade. Um aluno que participa de atividades relacionadas ao combate à dengue, por exemplo, mas ao sair à rua, joga um copo de sorvete vazio no chão, não internalizou o conhecimento, porque não ocorreu a mudança de comportamento. Só há aprendizagem quando, com esta, acontece a transformação do indivíduo.

A avaliação é um importante ferramenta no processo ensino aprendizagem, pois para Pironel:

 

 A avaliação acontece desde sempre, uma vez que avaliamos tudo ao nosso redor, avaliamos se podemos ou não atravessar uma rua, avaliamos e o que vamos comprar no supermercado está dentro do meu orçamento, avaliamos a data de validade dos produtos, se eu comprar o produto perto da data de seu vencimento, será que vou conseguir consumir e outros inúmeros exemplos poderíamos dar sobre avaliação no nosso dia a dia. Então a avaliação ela deve ser significativa (PIRONEL, 2002, p.193.).

 

Dessa forma, os professores precisam definir como avaliar, o que avaliar, para que avaliar, quais objetivos querem alcançar com a avaliação e fazer do momento da avalição um espaço para a aprendizagem. Refletindo sobre o papel da avaliação, precisa-se pensar que ela deve estar presente em todo o processo de aprendizagem, deve favorecer a compreensão do aluno e permitir que o professor trace novas estratégias para suas aulas, deve ser uma avaliação voltada para a aprendizagem e não para o enfrentamento, como muitas vezes acontece nas salas de aula.

Pironel enfatiza que após realizar a avaliação, o professor deve fazer a meta avaliação, que consiste em avaliar a avaliação, fazendo questionamentos sobre sua finalidade, se os objetivos foram alcançados, se o tempo foi suficiente, se houve aprendizagem significativa por meio de todo o processo avaliativo, levando em conta os diferentes estilos de aprendizagem.

 

METODOLOGIA

 

Para a realização da pesquisa, foi enviado um questionário aos professores das redes pública e privada de diversos anos de ensino, por meio do Google Formulário, devido a este momento pandêmico.

O questionário foi respondido por 71 professores, sendo 95,6%   professores de escola pública e apenas 4,4% de escola privada, distribuídos da seguinte forma: 30% da Educação Infantil, com alunos de 0 a 05 anos; 42,9% do Fundamental 1, com alunos de 6 a 10 anos e 27,1% do Fundamental 2, com alunos de 11 a 14 anos.

Foram realizadas algumas perguntas, abordando o tema da Avaliação no processo ensino-aprendizagem: 97,1% responderam que a importância da avaliação é o obter o diagnóstico da prática pedagógica.

Outra pergunta foi quando é realizada a avaliação formativa, com 73,2% de acerto, ou seja, continuamente durante todo o processo de ensino-aprendizagem. Ainda se perguntou quando é realizada a avaliação somativa, com 49,3% de acerto, sendo no término de um período de tempo determinado do processo de ensino-aprendizagem. E quando é realizada a avaliação diagnóstica, contou com o mínimo de acerto, sendo apenas 16,2% dos participantes – início, durante e término do processo de ensino-aprendizagem.

Ao serem questionados sobre a prioridade no momento de avaliar, obteve-se o seguinte resultado: 84,5% priorizam a aprendizagem, 14,1% o educando, 1,4% o conteúdo. E sobre como o resultado das avaliações interfere na sua prática pedagógica, 90,1% responderam que é para a verificação da aprendizagem e parâmetro para reavaliar a prática pedagógica; 8,5% como diagnóstico da turma e 1,4% não se atém aos resultados.

Quando questionados sobre que tipos de questões priorizam em suas avaliações, obteve-se: 39,4% questões objetivas; 25,5% questões associativas; 18,3% questões subjetivas; 7% questões visuais e 9,9% priorizam todas as anteriores. E sobre se elaboram apenas um tipo de avaliação para turma, 59,2% disseram que não; 22,5% à vezes; 16,9% sim e 1,4% as avaliações ocorrem durante as atividades.

Devido a utilização constante das mídias digitais em tempo de pandemia, questionou-se também sobre quais mídias são utilizadas para a elaboração das avaliações: 84,3% utilizam o World; 68,6% Internet; 31,4% Paint; 18,6% o Excel e 1,4% conteúdos de diferentes portadores; 1,4% Power Point e Google forms.

Em relação a elaboração das avaliações, o que é necessário levar em consideração, 88,7% responderam que a adequação temática em relação as habilidades descritas na BNCC é o item mais importante. E sobre qual o tipo de avaliação mais utilizada, com 87,3% a avaliação mediadora e 12,7% a tradicional.

Ao serem indagados sobre o que é relevante para propiciar ao aluno uma avaliação que seja realmente eficaz, 94,3% responderam que são os conceitos procedimentos, habilidades, atitudes e valores.

 

RESULTADOS E DISCUSSÕES

Seguem abaixo os gráficos com os resultados das questões:

 

Gráfico 01 - Questão: Qual o tipo de instituição em que você trabalha?

 


Fonte: Adriana Augusta e Helena Campos (2020)

 

 

Gráfico 02 - Questão: Qual a modalidade de ensino em que leciona?

 


Fonte: Adriana Augusta e Helena Campos (2020)

 

Gráfico 03 - Questão: Qual a importância da avaliação no processo de ensino-aprendizagem?

 


Fonte: Adriana Augusta e Helena Campos (2020)

 

 

Gráfico 04 - Questão: Quando é realizada a avaliação diagnóstica?

 


Fonte: Adriana Augusta e Helena Campos (2020)

 

 

Gráfico 05 - Questão: Quando é realizada a avaliação formativa?

 


Fonte: Adriana Augusta e Helena Campos (2020)

 

Gráfico 06 - Questão: Quando é realizada a avaliação somativa?

 


Fonte: Adriana Augusta e Helena Campos (2020)

 

 

Gráfico 07 - Questão: Qual a sua prioridade no momento de avaliar?

 


Fonte: Adriana Augusta e Helena Campos (2020)

 

 

Gráfico 08 - Questão: Que tipos de questões você prioriza em suas avaliações?

 


Fonte: Adriana Augusta e Helena Campos (2020)

 

 

Gráfico 09 - Questão: Você elabora apenas um tipo de avaliação para sua turma?

 


Fonte: Adriana Augusta e Helena Campos (2020)

 

 

 

Gráfico 10 - Questão: Quais mídias digitais você utiliza nas suas avaliações?

 


Fonte: Adriana Augusta e Helena Campos (2020)

 

Gráfico 11 - Questão: Para elaboração de suas avaliações, o que é necessário levar em consideração?

 


Fonte: Adriana Augusta e Helena Campos (2020)

 

Gráfico 12 -  Questão: Em sua prática pedagógica, qual tipo de avaliação é mais utilizado?

 


Fonte: Adriana Augusta e Helena Campos (2020)

 

 

Gráfico 13 - Questão: O que é relevante para propiciar ao aluno uma avaliação que seja realmente eficaz?

 


Fonte: Adriana Augusta e Helena Campos (2020)

 

Os professores, aqui representados consideram que a avaliação é um instrumento para diagnosticar os problemas de aprendizagem e reavaliar a prática pedagógica, o que já vem sendo percebido por meio do tipo de avaliação utilizado – mediadora – e também por proporcionar aos alunos avaliações diversificadas e bem elaboradas, fazendo uso das mídias digitais e adequando-as às habilidades descritas na BNCC e priorizando os conceitos, os procedimentos, atitudes e os valores essenciais para a construção da aprendizagem a fim de promover o desenvolvimento integral do educando.

Pôde-se perceber uma pequena dificuldade me diferenciar os tipos de avaliação – diagnóstica (ocorre no início, durante e término do processo de ensino- aprendizagem); formativa (continuamente durante todo processo ensino-aprendizagem) e somativa (término de um período de tempo determinado do processo de ensino-aprendizagem).

 

 

CONSIDERAÇÕES FINAIS

 

Em linhas gerais os resultados foram bastante homogêneos, uma vez que a pesquisa buscou mostrar como os professores analisam o objetivo da avaliação em suas práticas pedagógicas e como esta contribui para a autoavaliação do professor seu desempenho para a efetiva aprendizagem do educando.

Nesse sentido a pesquisa comprovou que a prática pedagógica em relação as avaliações estão mudando, pois os professores estão utilizando as formas de avaliação atuais e se desvencilhando dos modelos tradicionais, embora ultrapassados ainda estão presentes em algumas práticas avaliativas.

Mesmo com as mudanças educacionais vivenciadas ao longo dos anos, a avaliação continua sendo uma ferramenta de destaque e de contribuição essencial para a consolidação do ensino-aprendizagem não como aferição de conhecimento ou punição do educando, mas sim como um instrumento para a evolução da prática pedagógica.

 

REFERÊNCIAS

 

BRASIL, Leis e Decretos. Lei nº 9.394/96. Diretrizes e Bases da Educação Nacional. 5ª Ed. Porto Alegre, CORAG- Assessoria de Publicações Técnicas, 2004.

 

CONCEIÇÃO, José Luis Monteiro da. Contexto histórico da avaliação escolar. Revista Educação Pública 2016  Disponível em:  https://educacaopublica.cecierj.edu.br/artigos/16/1/contexto-histrico-da-avaliao-escolar. Acesso em 27/07/2020.

 

CHUEIRI, Mary Stela. Concepções sobre a Avaliação Escolar. Estudos em Avaliação Educacional. 2008, v. 19: p. 49-64.

 

EDUCAÇÃO EM REVISTA. A neurociência como aliada da educação. Ano XVI. Nº 90. Fevereiro/Março. Porto Alegre: Editora Sinepe, p. 38-39. 2012.

 

 

______ .Ano XVI. Nº 91. Abril/Maio. Porto Alegre: Editora Sinepe, p.38-39. 2012.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 17ª Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

 

______. Pedagogia do Oprimido. 40ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

HOFFMANN, Jussara. Avaliação Mediadora: uma prática em construção da pré-escola à universidade. Porto Alegre: Mediação, 2009.

 

______. Avaliação tradicional ou avaliação mediadora: qual o melhor processo para a aprendizagem do aluno? Brasil Escola. Disponível em: https://meuartigo.brasilescola.uol.com.br/educacao/avaliacao-tradicional-ou-avaliacao-mediadora.htm. Acesso em 27/07/2020.

 

LIBÂNEO, José.  A Prática Pedagógica de Professores da Escola Pública. São Paulo, 1985.

 

LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação da aprendizagem. Jornal do Brasil. 2000. (Disponívelemhttp://www.luckesi.com.br/textos/art_avaliacao/art_avaliacao_entrev_jornal_do_Brasil2000.pdf) – último acesso em 31 de mar de 2017.

 

______. Entrevista sobre Avaliação da Aprendizagem, concedida ao Jornal do Brasil e publicada no dia 21/07/2000. Disponibilizada no site www.luckesi.com.br. Acesso em 1º/06/2012 às 21:00.

 

______. Entrevista concedida à Aprender a Fazer, publicada em IP – Impressão Pedagógica, publicação da Editora Gráfica Expoente, Curitiba, PR, nº 36, 2004, p. 4-6. Disponível em www.luckesi.com.br. Acesso em 1º/06/2012 às 21:00.

 

______. Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições. 2ª ed. São Paulo: Cortez, 1995.

 

______. Avaliação da aprendizagem na escola: reelaborando conceitos e recriando a prática. 1ª edição. Salvador: Malabares Comunicação e Eventos, 2003.

 

______. Considerações gerais sobre avaliação no cotidiano escolar. IP – Impressão Pedagógica. 2004, v. 36: p. 4

 

PIRONEL, M. A Avaliação integrada ao processo de ensino-aprendizagem da matemática na sala de aula. Dissertação de mestrado. Rio Claro: UNESP, 2002, p.193.

 

PERRENOUD, Philippe. Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens – entre duas lógicas. Porto Alegre: ArtMed, 1999.

 

RABELO, Edmar Henrique. Avaliação: novos tempos, novas práticas. Petrópolis: Vozes, 1998.

 

REVISTA NOVA ESCOLA. Toda a atenção para a Neurociência. Ano XXVII. Nº 253. Junho/Julho. São Paulo: Editora Abril, p. 48-55, 2012.



Recebido em 12 de novembro de 2020
Publicado em 08 de janeiro de 2021


Como citar este artigo (ABNT)

OLIVEIRA, Adriana Augusta de. CAMPOS, Helena Andrade. JÚNIOR, Niltom Vieira. A Avaliação como Ferramenta no Ensino-Aprendizagem: Uma Análise na Região Centro-Oeste Mineira. Revista MultiAtual, v. 2, n. 1, 08 de janeiro de 2021. Disponível em: https://www.multiatual.com.br/2021/01/a-avaliacao-como-ferramenta-no-ensino.htm
A AVALIAÇÃO COMO FERRAMENTA NO ENSINO-APRENDIZAGEM: UMA ANÁLISE NA REGIÃO CENTRO-OESTE MINEIRA A AVALIAÇÃO COMO FERRAMENTA NO ENSINO-APRENDIZAGEM: UMA ANÁLISE NA REGIÃO CENTRO-OESTE MINEIRA Reviewed by Revista MultiAtual on janeiro 08, 2021 Rating: 5
Tecnologia do Blogger.