Revista MultiAtual - ISSN 2675-4592

COMPETÊNCIAS SOCIOEMOCIONAIS DO ENSINO TÉCNICO EM MOMENTO DE PANDEMIA

💢 Artigo em PDF


Vanessa Ribeiro Duella

Licenciada em Letras pela Faculdade de Educação São Luís de Jaboticabal; Graduada em Pedagogia pelo Instituto Superior de Educação Alvorada Plus; Pós-Graduada em Direito Educacional e Atendimento Educacional Especializado pela Faculdade de Educação São Luís de Jaboticabal; Docente dos ensinos:  fundamental 2, médio e técnico. E-mail: vanessa.silva@etecbebedouro.com.br

 

Deyse Almeida dos Reis

Pesquisadora graduada em Gestão da Qualidade e Ciências Biológicas, mestra e doutora em Engenharia Ambiental pela Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP). Desde 2013, colabora em pesquisas científicas relacionadas à bacia hidrográfica do rio Doce. Atua como docente na educação especial, no ensino fundamental e técnico nas modalidades presencial e à distância. Atualmente leciona em programas de pós-graduação nas temáticas meio ambiente e educação. Também realiza projetos voltados à Contabilidade ambiental na identificação de custos e riscos ambientais.

 

 

RESUMO

O presente estudo destaca como objeto de análise as competências socioemocionais, as quais, deveriam ser desenvolvidas durante o ensino técnico, mas que devido ao momento turbulento atual em que uma pandemia virótica estabeleceu-se por todo o mundo ameaçando a vida dos cidadãos, fez-se necessário modificar a maneira pela qual os indivíduos se relacionavam cotidianamente, dificultando assim, o estabelecimento de vínculos e o aprimoramentos das aprendizagens. Desta forma, por meio de um breve histórico será possível compreender as atitudes tomadas por órgãos competentes durante esta e outras pandemias existentes no passado. Em seguida, serão apresentadas as competências socioemocionais presentes no ensino técnico e para finalizar haverá uma verificação sobre a situação atual referente a ação desse vírus, além de uma investigação sobre como as escolas técnicas vêm se ambientando para realizar as aulas remotas com qualidade. Portanto, a pesquisa representará uma reflexão sobre o momento atual de pandemia, no qual, as pessoas que cursam o ensino técnico necessitam desenvolver competências socioemocionais, mesmo mentalmente afetadas.

PALAVRAS-CHAVE: Competências Socioemocionais. Pandemia. Ensino Técnico.


ABSTRACT

The present study highlights socio-emotional competences as an object of analysis, which should be developed during technical education, but due to the current turbulent moment in which a viral pandemic has established itself around the world, threatening the lives of citizens, if necessary, modify the way in which individuals related to each other on a daily basis, thus making it difficult to establish bonds and improve learning. In this way, through a brief history it will be possible to understand the attitudes taken by competent bodies during this and other pandemics existing in the past. Then, the socio-emotional skills present in technical education will be presented and, finally, there will be a check on the current situation regarding the action of this virus, in addition to an investigation on how technical schools have been getting used to conduct remote classes with quality. Therefore, the research will represent a reflection on the current moment of the pandemic, in which, people who attend technical education need to develop socio-emotional competences, even mentally affected.

KEYWORDS: Socioemotional skills. Pandemic. Technical education.


 

INTRODUÇÃO

 

As políticas públicas educacionais, constantemente, criam planos de ações de modo a melhorar a qualidade do ensino brasileiro, por isso, desde a Constituição Federal de 1988 até os dias atuais várias metas foram traçadas, sendo que a partir de 2015 houve a idealização e a inserção aos meios educacionais de uma nova base curricular unificada, a BNCC (Base Nacional Comum Curricular). Neste documento estabeleceu-se competências e habilidades, as quais os alunos da educação básica deveriam adquirir durante suas aprendizagens e definiu-se que além de aprimorar os conhecimentos dos estudantes, seria necessário desenvolver valores e atitudes, os quais proporcionariam aos alunos um ensino integral, de modo a formar cidadãos éticos e preparados para lidarem com diversas situações em seus cotidianos.

Apesar da BNCC, ter sido formulada para contemplar os níveis da educação infantil ao ensino médio, suas competências podem e devem ser inseridas a vida de qualquer indivíduo para que este consiga viver em sociedade pacificamente, por este motivo é de suma importância inserir as competências socioemocionais no ensino técnico.  Assim, por meio de um breve histórico será possível compreender as atitudes tomadas, hoje e no passado, por órgãos competentes para amenizar o alastramento das pandemias. Em seguida, serão explicitadas as competências socioemocionais, as quais, pretende-se que sejam desenvolvidas pelos alunos de cursos técnicos. Finalizando com a apresentação dos desafios de cumprir as metas impostas pelo governo e a adequação de todos os envolvidos para que as aulas remotas aconteçam e sejam de qualidade, proporcionando o aprimoramento das habilidades discentes.

Logo, com essa pesquisa pretendeu-se, por meio de análises bibliográficas e estudo de caso, mostrar o quanto a ação de um vírus modificou o modo como as pessoas se relacionam no ambiente escolar, atrapalhando, por vezes, a construção das competências socioemocionais dos estudantes.

 

1 PANDEMIAS

 

Na história da humanidade, juntamente ao crescimento populacional nos continentes, surgiram diversas doenças, as quais, necessitaram de medidas higiênicas e do avanço da ciência de modo a intervir nos sintomas e proporcionar a cura. Algumas enfermidades tiveram seus tratamentos realizados por meio da utilização de medicamentos ou vacinas, outras, porém, devido a seu alto poder destrutivo e de contaminação causaram nas populações medo e incertezas, cobrando de órgãos competentes como a Organização Mundial da Saúde (OMS), medidas radicais e investimentos em pesquisas para a criação de fármacos capazes de minimizar as pandemias destas moléstias.

Nos dias atuais, o termo pandemia se popularizou em todo o território mundial, fato este relaciona-se ao alastramento de uma doença causada por um vírus do tipo Corona – o Covid 19 - que vem contaminando muitas pessoas e modificando a maneira como seres humanos estão acostumados viver. Segundo Freitas (2020), a palavra pandemia refere-se a: “uma patologia se espalha dentro de quadros epidêmicos por diversos países e continentes. [...] deve ser infecciosa e atingir um grande número de pessoas simultaneamente, além de possuir uma transmissão inicial local fixada”. 

 

1.1 PRAGA DE ATENAS, O CONTÁGIO POR FEBRE TIFOIDE

 

Apesar da população considerar essa palavra um neologismo, as pandemias têm sua primeira notificação no período 430 antes de Cristo, durante a guerra de Peloponeso.

Dizem que a doença começou na Etiópia, e depois desceu para o Egito e para a Líbia, alastrando-se pelos outros territórios do Rei (Pérsia). Subitamente ela caiu sobre a cidade de Atenas, atacando primeiro os habitantes do Pireu, de tal forma que a população local chegou a acusar os peloponésios de haverem posto veneno em suas cisternas. Depois atingiu também a cidade alta e a partir daí a mortandade se tornou muito maior (JR, 2020).

 

Provavelmente, a enfermidade, a qual assolou os gregos, desconfia-se pelos sintomas que se tratava de febre tifoide, pois segundo relatos de Tucídides em seu livro “História da Guerra de Peloponeso” o quadro clínico apresentava as mesmas características do Tifo, “febre alta, mal-estar em um modo geral, diarreia, fortes dores de cabeça, falta de apetite, aumento do baço, manchas rosadas no tronco, retardamento do ritmo cardíaco e tosse seca” (NEVES e SILVA, 2016, p. 17) aliados a falta de higiene, possibilitou que a doença se alastrasse rapidamente causando mortes em grande escala. Essa moléstia atacou os gregos duas vezes e somente foi possível contê-la pelo fato daqueles, os quais o mal já havia atingido terem adquirido imunidade, ajudando os enfermos na recuperação.

Desta maneira, acredita-se que naquele momento a febre tifoide tenha sido contida, introduzida mais tardiamente, em 1489, ao velho continente por soldados espanhóis em busca de conquistas pelos territórios. Continuando a fazer vítimas no século XVII em uma colônia americana, Jamestown, na qual, dizimou os cidadãos daquele local.

Passados esses episódios o tifo recebeu maiores atenções somente no século XIX, quando esta mazela eliminou 560.000 soldados franceses, os quais lutavam juntamente com Napoleão. Assim, estudiosos da época aprofundaram suas pesquisas para localizarem o agente causador e no início do século XX descobriu-se que a enfermidade era transmitida pela picada de piolhos infectados:

 

A febre tifoide é uma doença infectocontagiosa causada pela bactéria Salmonella entérica typhi, que possui uma morfologia microbiana Gram-negativa, pertencente à família Enterobacteriaceae. Doença essa que está associada à ingestão de alimentos ou bebidas contaminados, tais contaminações deve-se a situações precárias de saneamento básico ou a má higienização desses produtos (NEVES e SILVA, 2016, p. 17).

 

Entretanto, mesmo a medicina tendo encontrado a forma de transmissão causadora da doença, devido as constantes guerras e condições higiênicas precárias, as quais os seres humanos eram expostos durante as batalhas, a febre tifoide alastrou-se, chegando a matar três milhões de pessoas na Europa Ocidental e na Rússia entre os anos de 1918 e 1922, atacando, inclusive os campos de concentrações, na Alemanha.

Hoje, o tratamento para a tifoide é realizado por meio da utilização de antibióticos prescritos pelos médicos, repousos e reidratação. Existe uma vacina, porém não é tão eficaz quanto às medidas higiênicas e preventivas da doença.

 

1.2 VARÍOLA – A PESTE ANTONINA

 

O primeiro relato de doença pandêmica depois de Cristo (D.C.), foi por volta do século II, a denominada Peste Antonina que espalhou-se pela Roma e por outros países devido a chegada de tropas vindas da Mesopotâmia. Esta moléstia matou mais ou menos 5 milhões de pessoas, tendo sintomas assemelhados aos da varíola, os doentes apresentavam vômito, febre e erupções cutâneas.

 

Penetrando no corpo, o patógeno se espalha pela corrente sanguínea e se instala, principalmente, na região cutânea, provocando febre alta, mal estar, dores no corpo e problemas gástricos. Logo depois destas manifestações surgem, em todo o corpo, numerosas protuberâncias cheias de pus, que dificilmente cessam sem deixar cicatrizes, e conferem coceira intensa e dor. O risco de cegueira pelo acometimento da córnea, e morte por broncopneumonia ou doenças oportunistas, já que tais manifestações comprometem o sistema imunitário [...]. (SÓ BIOLOGIA, 2020)

 

Atualmente, a varíola é conhecida popularmente pela denominação de bexiga, devido às feridas que aparecem no corpo dos enfermos. Sendo acometida pelo vírus “Orthopoxvirus variolae” pode transmitir-se por meio do contato de objetos infectados pelo doente ou mesmo por secreções expelidas pelas lesões as quais são características da enfermidade.

Historicamente, com o passar dos séculos, a falta de informações fez com que essa virulência se espalhasse pelos continentes e atingisse países como Egito, Japão, Islândia e Brasil, causando a mortalidade de grande maioria da população. Inclusive quando esta virulência aportou em terras brasileiras, levou diversos indígenas a óbito, pelo fato de que, “além da baixa imunidade, os hábitos coletivos e a falta de tratamentos tornavam a população nativa especialmente vulnerável a doenças trazidas por estrangeiros” (NEIVA, 2020).

Desta maneira, os surtos causados pelas contaminações apenas diminuíram após a descoberta da vacina, em 26 de outubro de 1977, foi anunciado o último caso de infeção natural pelo vírus da varíola no mundo, na área de Merka, Somália” (Schatzmayr, 2001, p. 1525)”. Portanto, a varíola, até o momento é considerada uma moléstia eliminada, não oferecendo perigo de contágio aos cidadãos, desde que estes sejam imunizados conforme o calendário de vacinação.

 

1.3 PESTE NEGRA – A PRAGA DE JUSTINIANO

 

No ano 541 D.C. surgiu a Praga de Justiniano, transmitida durante a guerra pela restauração do Império Romano, causou a morte de 25 milhões de pessoas, além de ser considerada como o primeiro surto mundial da peste bubônica.

Esta enfermidade se espalhou facilmente entre os indivíduos, pois as tropas do imperador eram transportadas de um continente a outro por meio de embarcações, assim os ratos, os quais viviam no convés e estavam infectados transmitiam a doença para os seres humanos através da picada de carrapatos.

Ademais, essa mazela não teve casos isolados apenas nessa época, pois mesmo com o passar do tempo não parou de se proliferar e ressurgiu em 1346, provavelmente na Ásia, alastrando-se pelos diversos países do mundo por meio de navios mercantis. Neste caso o número de mortes foi maior, uma média de 200 milhões.

Logo, esta patologia causadora de sintomas tão característicos quanto impressionantes recebeu o nome de Peste Negra, pois necrosava as extremidades do corpo, causava febre, além de inflar e produzir pus nos linfonodos dos enfermos.

Outros surtos da Peste ocorreram em diversas partes do mundo, a última notificação de pandemia desta mazela foi na China, século XIX, local, no qual, o tratamento tornou-se possível quando o pesquisador Alexandre Yersin, descobriu a bactéria Yersinia Pestis como sendo causadora dos sintomas. A partir de então, antibióticos foram utilizados e a Peste Negra passou a ser considerada um agente com baixo risco de contaminação.

Desta forma, segundo Pinheiro (2020) “a taxa de mortalidade da peste, que era de 60 a 90%, caiu para apenas 10% a 20%, o que quebrou o ciclo de transmissão da bactéria”.

 

1.4 CÓLERA

 

Posteriormente a Peste Negra, identificou-se a cólera, “uma diarreia infecciosa grave causada por sorogrupos da bactéria Vibrio cholerae produtores de enterotoxinas” (CÂMARA, 2020), foi relatada pela primeira vez em 1817, provavelmente advinda da Índia e proliferou-se:

 

[...]“ao longo do século XIX, que testemunhou seis pandemias durante 60 de seus cem anos. [...] a cólera foi se espalhando pelo mundo durante anos em cada um dos ciclos pandêmicos. [...] demorando anos para ir de um canto ao outro do globo terrestre, a disseminação da cólera também foi, em grande parte, devido à modalidade da globalização na época: a colonização direta e, portanto, o crescente trânsito entre colonizadores e colonizados (SHULZ, 2020).

 

Apenas após o acometimento na Inglaterra, em 1849, começaram os estudos para tentar descobrir as causas de proliferação da doença. Nesta época o médico John Snow pressupôs que a infecção ocorreria por meio da água contaminada devido ao saneamento básico quase inexistente e a coleta de água originada dos esgotos ou fossas.

As primeiras pesquisas de Snow foram rejeitadas e necessitou-se que ocorresse novo adoecimento da população nos anos subsequentes para que autoridades acreditassem nas descobertas do médico. Destarte, conforme os estudos em relação a doença avançaram descobriu-se que:

 

A infecção se dá pela rota fecal-oral, por ingestão de água e alimentos contaminados em um ambiente de saneamento deficiente. Cerca de 90% dos infectados são assintomáticos, e entre os sintomáticos apenas 10% apresentam diarreias profusas com risco de morte devido à rápida e intensa desidratação seguida de hipotensão e choque. A taxa de ataque secundário da cólera, mesmo em grandes epidemias, raramente excede a 2% (CÂMARA, 2020).

 

Por conseguinte, Jonh Snow não tornou-se o único a investigar os possíveis motivos pelos quais a bactéria se disseminava. No passado ocorreram muitas especulações, as quais permeavam em torno da forma de contágio e cura desta mazela, assim a cólera foi comparada a Peste Negra, porque ocorreram fases em que a “ferocidade da doença, que matou a maioria dos doentes em apenas um dia” (CÂMARA, 2020).

Então, em conformidade com o avanço das averiguações, percebeu-se que para cessar a infestação pela bactéria seria necessário adotar medidas higiênicas diárias, implantar saneamento básico nas regiões afetadas, além de tratar os doentes com antibióticos.

Nos dias atuais, a cólera ainda pode ser uma realidade em locais carentes de cuidados sanitários, no entanto, há uma vacina, que foi criada por volta de 1990, a qual imuniza pessoas que mantêm contato aos ambientes propícios de proliferação.

 

1.5 TUBERCULOSE

 

A tuberculose (TB) ou tísica é outra enfermidade, a qual caracteriza-se como pandêmica, pois desde antes da era de Cristo vêm ocorrendo contaminações da mesma ao entorno do mundo. “Existem relatos de evidência de TB em ossos humanos pré-históricos encontrados na Alemanha e datados de 8.000 antes de Cristo (AC)” (CONDE, 2002).

O bacilo de Koch, como também pode ser denominada esta moléstia, dissemina-se por meio do ar, em locais miseráveis e com grandes aglomerados de pessoas.

Enquanto os povos aumentavam seus domínios com as guerras, levavam ou entravam em contato com o bacilo da TB. Assim, a doença prosseguiu se espalhando mundo afora, mercê consequência das conquistas e da miséria que a guerra trazia (CONDE, 2002).

 

A investigação das características da tuberculose, sua proliferação e possíveis antídotos para a cura surgiram apenas a partir do século XVII quando estudos da anatomia em indivíduos infectados identificaram “estruturas, principalmente no pulmão dos doentes, com aspecto de tubérculos nas vísceras” (CONDE, 2002). Desta forma, em 1882, Robert Koch descobriu o bacilo Mycobacterium tuberculosis, fato este que causou grandes esperanças referentes a erradicação da mazela.

Contudo, apesar de se obterem dados sobre o agente causador apareceram muitas suposições de como acabar com a doença, por exemplo: “necessidade absoluta do isolamento dos pacientes em sanatórios, com repouso total e os climas de montanha e marítimos, além de exposição ao sol, bem como a boa alimentação” (CONDE, 2002). Os tratamentos “a base de quinino, creosoto, enxofre, cálcio e preparados de ouro e bismuto” (CONDE, 2002), também foram constantemente indicados, recorrendo-se em alguns casos a cirurgias de retirada das partes afetadas pela enfermidade e a pneumotórax, injeção de ar no espaço entre o tórax e o pulmão, sendo este o método que por vezes trazia resultados mais satisfatórios.

Assim, efetivamente, décadas se passaram e com a descoberta dos medicamentos realizaram-se diversos testes, elencando nos anos de 1960 um “esquema definitivo, usando três antibióticos ao mesmo tempo, [...] diariamente por 18 a 24 meses” (CONDE, 2002), curando, desta forma, 95% dos infectados.

Atualmente, a tuberculose tem tratamento, porém não conseguiu-se eliminar por completo a doença, pelo fato de que os fluxos migratórios ainda ocorrem, a miséria e a falta de saneamento básico são realidades em diversas partes do mundo, além do crescimento da enfermidade ocorrer principalmente em portadores do Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV), porque eles têm a imunidade corporal prejudicada como sintoma desta doença.

 

1.6 GRIPE ESPANHOLA

 

No século XX, durante a Primeira Guerra Mundial, a Gripe Espanhola, um vírus do tipo Influenza espalhou-se pelo mundo, de 1918 a 1920. Inicialmente parecia-se com os sintomas de um resfriado, porém apresentava um alto poder de contágio e de mortalidade, desta maneira informações sobre a propagação introdutória do vírus são incertas, estudiosos pressupõem que o primeiro contato com a doença ocorreu na China ou nos Estados Unidos quando o soldado Albert Gitchell, apresentou os primeiros indícios da enfermidade. 

A disseminação desta gripe foi global e ocorreu com rapidez, as tecnologias existentes na época não conseguiam detectar o agente causador, por isso, orientou-se as populações a cumprirem medidas higiênicas, o uso obrigatório de máscaras e o isolamento social, igualmente, está ocorrendo no momento atual. Previdelli apud Miranda (2020) relata que em 1918, as pessoas rapidamente assimilaram que as multidões poderiam causar transmissões. "Os bloqueios foram implementados e houve progresso na aplicação de medidas preventivas que historicamente se mostraram eficazes". A vacina para essa moléstia foi criada apenas em 1944, logo, possivelmente a proliferação da Gripe Espanhola conteve-se devido às populações terem desenvolvido imunidade a doença.

 

1.7 SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (AIDS)[1]

 

Na década de 80, uma nova moléstia passou a fazer vítimas, relata-se que os primeiros casos apareceram nos Estados Unidos e na África, por isso “acredita-se que a infecção tenha surgido nas regiões africana central e oriental, uma vez que ali teve início sua maior frequência e onde a infecção de primatas ocorre na natureza” (FORATTINI, 1993).

Não há afirmativas de uma data específica quanto ao início da manifestação desta doença, no entanto, pressupõe-se que as primeiras ocorrências aconteceram entre os anos de 1930 a 1950, em tribos africanas afastadas da civilização, nas quais realizavam-se a caça de chimpanzés ou a domesticação dos mesmos.

Desta maneira, a descoberta da AIDS ocorreu somente após 1981, pelo fato de que vários homens americanos usuários de drogas ou homossexuais foram diagnosticados com “sarcoma de Kaposi, pneumonia por Pneumocystis carinii e comprometimento do sistema imune” (TREVISOL, 2020).

Então, a partir dos dados coletados sobre a nova patologia, investigações foram feitas em doentes, os quais apresentavam essas características e descobriu-se o agente causador, o Vírus da Imunodeficiência Humana, originário, provavelmente, dos macacos verde-africanos e tendo como formas de transmissão “por via sexual, sanguínea, acidental e de mãe para filho (vertical)” (TREVISOL, 2020).

Com o passar das décadas, constatou-se que as pessoas infectadas faleciam pelo enfraquecimento da imunidade corporal e pelo ataque de outras doenças oportunistas, além da modificação constante do HIV, um dos aspectos pelos quais pesquisadores ainda não encontraram a cura para esta doença.

 O auge da mortalidade causada pelo vírus foi em 2004, vindo a diminuir constantemente com o passar dos anos. Na atualidade, os indivíduos infectados caso realizem os tratamentos adequadamente conseguem manter “boa qualidade de vida e expectativa de vida similar a pessoas não infectadas” (TREVISOL, 2020). Portanto, o mecanismo mais eficaz para a luta contra a doença é a conscientização das formas de transmissão e os cuidados necessários para não adquirir a AIDS.

 

1.8 COVID 19

 

Dezembro de 2019, uma data, a qual historicamente será lembrada como o marco inicial de uma pandemia, que começou em Wuhan, na China e multiplicou-se rapidamente por todo o território terrestre. As primeiras pessoas infectadas tinham contato com um Mercado de Frutos do Mar, por este motivo pesquisadores desconfiaram que possivelmente o hospedeiro do vírus fosse um animal, porém não encontravam relações entre os vírus já pesquisado e o novo exemplar encontrado nos seres humanos doentes, SARS-CoV-2 ou Covid-19 como denominaram os americanos.

Diante disso, a hipótese mais favorável partiu do pressuposto de ter ocorrido uma mutação genética em morcegos ou pangolins, os quais modificaram o agente causador da doença e possibilitou a transmissão para os homens, fato que geralmente acontece com os vírus do tipo Corona:

 

De cada vez que há uma pandemia, o subtipo dos vírus que circulava anteriormente desaparece. É como que substituído pelo novo subtipo, o da pandemia. Assim, entre 1918 e 1957 estiveram em circulação vírus pertencentes ao subtipo H1N1, entre 1957 e 1968 ao subtipo H2N2 e desde 1968 até ao presente o subtipo H3N2. A única exceção foi a reintrodução do subtipo H1N1 em 1977, ano em que não houve substituição do subtipo H3N2 (ZARAMELA, 2020).

 

 

Características desse tipo de virulência, as insuficiências respiratórias podem ser assintomáticas para alguns pacientes, leves para outros, não passando de simples resfriados ou graves, a Sars-Cov e o Mers-Cov, como tem ocorrido com a maioria dos infectados e as quais causaram muitas mortes no passado e nos dias atuais. Logo, os sintomas apresentados pelos portadores da Covid-19 demoram em torno de 14 dias para aparecerem.

 

Ao entrar no corpo humano, o vírus se multiplica dentro do nosso nariz e outras partes do sistema respiratório de forma despercebida. Essa fase é chamada de pré-sintomática ou de incubação. Nela, apesar de ainda não haver sintomas, indivíduos contaminados são capazes de infectar outras pessoas (ALDERETE et al, 2020).

 

Os primeiros sinais da doença são inicialmente semelhantes aos de uma gripe: febre, dor no corpo, tosse e prostração, podendo evoluir para dificuldade respiratória, dor no peito, perda de movimentos ou da fala, além de em alguns casos apresentar indícios inespecíficos, por exemplo, cefaleia, diarreia, erupções cutâneas, conjuntivite, entre outras. Desta forma,

 

O novo coronavírus viaja, principalmente, em gotículas eliminadas na fala, espirros ou tosse. O contato com elas pode ocorrer de forma direta de pessoa para pessoa, — quando beijamos, abraçamos, apertamos as mãos ou ficamos muito perto de pessoas infectadas —, ou de forma indireta, quando encostamos em superfícies e objetos contaminados (ALDERETE et al, 2020).

 

Assim, caso ocorra a presença de sinais semelhantes ao da Covid, faz-se necessário a realização de testes comprovatórios e em situações, nas quais a avaliação seja positiva, nos casos leves e moderados os médicos orientam ao isolamento social em casa, mantendo-se distante dos familiares, os quais residem no ambiente, separação dos objetos pessoais, repouso, uso de máscara e utilização de remédios específicos. Já nos indivíduos com sintomas críticos, indica-se a internação em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) para a inserção de ventilação mecânica.

Assim sendo, o ano de 2020 começou com um novo desafio para a ciência, descobrir a origem do SARS-CoV-2, diminuir ou cessar as transmissões e achar um antídoto eficaz para eliminar o agente causador. Contudo, as contaminações apenas aumentaram rapidamente e com o passar dos meses as mortes também se alastraram, atingindo, principalmente, idosos e indivíduos, os quais continham alguma comorbidade, por isso em 11 de março de 2020 a OMS decidiu emitir um alerta sobre a periculosidade de se adquirir esse tipo de vírus e declarou o “status” de pandemia mundial.

 

Segundo o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, a demora para a definição como pandemia se deu por ser uma palavra perigosa pelas interpretações que pode gerar, mas que o aumento em mais de 13 vezes do número de casos externos à China e as mais de 4 mil mortes justificam a nova classificação.

Os dados apresentados pela organização apontam mais de 118 mil casos em 114 países, com 4.291 mortes (BARRETO, 2020).

 

Governantes criaram planos de ações para que seus cidadãos não fossem severamente afetados por essa moléstia, anúncios foram feitos às populações de modo a propagar esclarecimentos sobre prevenção e possíveis causas de contaminação. A OMS divulgou as medidas protetivas: isolamento social, uso de máscaras, higienização de objetos pessoais e ambientes, em geral, além da limpeza das mãos, lavando-as ou utilizando álcool em gel na concentração de 70%.

No Brasil, em 21 de março o governador do estado de São Paulo, João Dória anunciou quarentena de 15 dias, iniciando em 24 de março. As exigências impostas estruturaram o decreto 64.881/20, neste determinou-se que lugares, os quais pudessem ocorrer aglomerações deveriam ser fechados:

 

Artigo 2º - Para o fim de que cuida o artigo 1º deste decreto, fica suspenso:

I - o atendimento presencial ao público em estabelecimentos comerciais e prestadores de serviços, especialmente em casas noturnas, “shopping centers”, galerias e estabelecimentos congêneres, academias e centros de ginástica, ressalvadas as atividades internas;

II – o consumo local em bares, restaurantes, padarias e supermercados, sem prejuízo dos serviços de entrega (“delivery”) e “drive thru” (BRASIL, 2020).

 

E enfatizou-se que apenas serviços essenciais poderiam continuar abertos, desde que cumprissem as novas regras:

 

§ 1º - O disposto no “caput” deste artigo não se aplica a estabelecimentos que tenham por objeto atividades essenciais, na seguinte conformidade:

1. saúde: hospitais, clínicas, farmácias, lavanderias e serviços de limpeza e hotéis;

2. alimentação: supermercados e congêneres, bem como os serviços de entrega (“delivery”) e “drive thru” de bares, restaurantes e padarias;

3. abastecimento: transportadoras, postos de combustíveis e derivados, armazéns, oficinas de veículos automotores e bancas de jornal;

4. segurança: serviços de segurança privada;

 

Destarte, as escolas, tanto privadas, quanto públicas, a princípio afastaram funcionários pertencentes ao grupo de risco: idosos, grávidas e aqueles, aos quais apresentavam algum problema de saúde. Depois, decretou-se férias a maioria da equipe escolar, alunos, professores, gestão, permanecendo no ambiente apenas alguns colaboradores do setor de segurança e da limpeza, aos quais foram orientados a trabalharem cumprindo as exigências impostas pelo governo.

Condutas foram estudadas para se obter o melhor retorno as atividades institucionais, assim, devido aos casos de pessoas doentes serem confirmadas e relatadas, diariamente, em toda parte do mundo, decidiu-se pela realização de aulas remotas, isto é, pelo desenvolvimento do trabalho docente no ambiente virtual.

O Centro Paula Souza, autarquia responsável por monitorar o ensino médio e técnico das Escolas Técnicas Estaduais (Etec) e o tecnólogo das Faculdades de Tecnologia do Estado de São Paulo (Fatec) optou pela utilização de um programa computacional, o “Microsoft Teams”, que possibilita reunir os estudantes e realizar as aulas de modo síncrono, podendo disponibilizar materiais, vídeos e até mesmo dar o comando aos alunos para que eles apresentem seminários, teatros, entre outros, por isso a instituição resolveu trabalhar de maneira online até o final do ano letivo de 2020.

Portanto, a pandemia da Covid-19 demonstrou ao mundo que seria necessário empregar medidas rápidas e precisas, modificar hábitos diários para proteger a si mesmo e àqueles, os quais fazem parte do convívio tanto social quanto familiar. Além disso, sentimentos afloraram e enquanto algumas pessoas aprimoraram suas competências socioemocionais propagando resiliência, união e cooperação, outras demonstraram dificuldades para aceitar as situações impostas, deste modo, manifestou medo, raiva, desgosto, sentimento de solidão e não adaptação para trabalhar ou estudar em “home office”.

 

2 COMPETÊNCIAS

 

O termo competência surgiu no mercado empresarial, em 1973, nos Estados Unidos, por meio de uma publicação de David McCleland, o qual estava em “busca de uma abordagem mais efetiva que os testes de inteligência nos processos de escolha de pessoas para as organizações” (DUTRA et al., 2006, p.2), esta terminologia gerou debates sobre quais saberes psicólogos e administradores deveriam ter para desempenharem uma tarefa imposta pelo ambiente coorporativo, assim “o conceito foi rapidamente ampliado para dar suporte a processos de avaliação e para orientar ações de desenvolvimento profissional.”(DUTRA et al., 2006, p.2).

Depois, por volta da década de 80, o estudioso Rychard Boyatzis, reclassificou competências “a partir da caracterização das demandas de determinado cargo na organização” (DUTRA et al., 2006, p.2), procurando “fixar ações ou comportamentos efetivos esperados” (DUTRA et al., 2006, p.2), como um conjunto de conhecimentos, atitudes e habilidades que nós, seres humanos utilizamos para realizar as atividades em nosso ambiente de trabalho apoiando-se em conhecimentos que já estão dispostos em nossa mente sobre determinado assunto e aprimorando-os para conclusões mais complexas.

Na área educacional, a palavra competência incorporou-se às teorias pedagógicas na década de 90, tendo Philippe Perrenoud como pensador que idealizou o ensino em três ciclos para que os conhecimentos fossem adquiridos pelos alunos. Deste modo, a justificativa utilizada por ele expôs o fato pelo qual o ser humano interage com o meio em que vive, produz experiências as quais, se aprimoram e se tornam habilidades.

 

Desse modo, cada pessoa, de maneira diferente, desenvolveria competências voltadas para a resolução de problemas relativos à superação de uma situação, como, por exemplo, saber guiar-se no caminho de volta para casa a partir de um ponto de referência, o que mobiliza competências de reconhecimento ou mapeamento espacial; saber lidar com as dificuldades infantis, o que aciona competências pedagógicas; saber construir ferramentas, o que estimula competências matemáticas e lógicas, entre outras (PERRENOUD, 1999, p. 151).

 

As competências podem ser conquistadas nos meios de vivências do indivíduo, familiar, social e estudantil, assim no ambiente escolar para que o desenvolvimento destas capacidades ocorra deve-se buscar estratégias de modo a construir as habilidades que ainda não foram estruturadas, além de aprimorar aquelas, as quais em algum momento da vida foram edificadas. Logo, necessita-se considerar “competências não escolares que desenvolvemos a partir das relações sociais que estabelecemos e as nossas condições de existência” (PERRENOUD, 1999, p. 151).

Desta maneira, duas décadas se passaram após as considerações de Perrenoud.  No Brasil, as propostas educacionais se transformaram e foram inseridas ao currículo formal orientações, as quais o ensino deveria ter uma única proposta pedagógica, ser pautado na cidadania, considerando questões sociais e socioemocionais. Posto isto, em 2017 e 2018 homologou-se a Base Comum Curricular (BNCC) para a Educação Básica:

 

Prevista na Lei de Diretrizes e Bases (1996) e no Plano Nacional de Educação (2014), a BNCC é fruto de amplo processo de debate e negociação com diferentes atores do campo educacional e com a sociedade brasileira. Desde 2015, foram produzidas três versões do documento, que contaram com a participação de diversos especialistas [...] (BRASIL, 2017, p.1).

 

 

Assim, dez competências gerais foram consideradas para estabelecer “um conjunto de conhecimentos, habilidades, valores e atitudes que buscam promover o desenvolvimento dos estudantes em todas as suas dimensões: intelectual, física, social, emocional e cultural” (FERNANDES, p.1). Dentre as qualificações a serem moldadas nas aprendizagens dos alunos acrescentou-se as habilidades para a formulação do projeto de vida, a capacitação para o mercado de trabalho, além da formação socioemocional que apresentou a função de emoldurar as capacidades mentais dos estudantes, preparando-os para os lidarem com sentimentos e desafios da vida adulta.

O ensino técnico profissionalizante, por sua vez, anteriormente às especificação sobre aprendizagens por competências determinadas pela BNCC, já havia estabelecido desde o ano de 1999, no parecer do Conselho Nacional de Educação (CNE) 16/99 “modelo de educação profissional centrado em competências por área” (BRASIL, p. 13) e mantem, até os dias atuais o ensino pautado na construção de competências e habilidades técnicas juntamente a utilização de bases tecnológicas, conteúdo relacionado a grade curricular de cada curso. Desta forma a estruturação dos planos de curso do ensino técnico profissionalizante:

 

São instrumentos que contém todas as bases tecnológicas para formar as competências e habilidades necessárias para a formação do Perfil Profissional de cada módulo e de conclusão de curso, detalhando onde e como exercer a atividade profissional de cada curso, consta ainda as metodologias de ensino, referências bibliográficas, entre outras (CENTRO PAULA SOUZA, ca. 2010).

 

À vista disso, as aprendizagens desenvolvidas nos cursos profissionalizantes capacitam:

 

O cidadão que busca uma oportunidade de se qualificar por meio de um curso técnico está, na realidade, em busca do conhecimento para a vida produtiva. Esse conhecimento deve se alicerçar em sólida educação básica que prepare o cidadão para o trabalho com competências mais abrangentes e mais adequadas às demandas de um mercado em constante mutação.

 

Portanto, o ensino técnico proporcionará ao indivíduo obter conhecimentos profissionais específicos, além de desenvolver competências relacionadas à área escolhida, preparando-o, desta forma para construir seu projeto de vida, tendo no histórico estudantil uma formação qualitativa e possibilitando o desempenho de funções específicas exigidas no ambiente de trabalho.

 

2.1 COMPETÊNCIAS SOCIOEMOCIONAIS DESENVOLVIDAS NO ENSINO TÉCNICO

 

Diferentemente das aprendizagens cognitivas que priorizam adquirir o conhecimento dos diversos conteúdos escolares, as competências socioemocionais são capacidades, as quais os indivíduos moldam suas emoções por meio do desenvolvimento de habilidades, atitudes e valores, assim:

As práticas cognitivas são aquelas que dizem respeito ao desenvolvimento de habilidades para a compreensão de conteúdos, conceitos e processos dentro dos diferentes objetos de conhecimento. As competências socioemocionais são aquelas que visam o desenvolvimento das dimensões comportamental (atitudinal) e relacional dos indivíduos (SAEDIGITAL, 2020).

 

Deste modo, apesar, do desenvolvimento das competências socioemocionais terem ganhado atenção do sistema educacional brasileiro apenas em 2020, devido a inserção de parâmetros estabelecidos pela BNCC.  O termo já é utilizado nos Estados Unidos a cerca de vinte anos e define a educação pautada na evolução das emoções, as quais proporcionarão a formação de um indivíduo capaz de conviver e estabelecer relações nos ambientes familiar, sociais e de trabalho, além de evitar frustrações, entre outras sensações negativas, aos quais um cidadão despreparado possa a vir desenvolver. Logo:

 

A Educação Socioemocional (em inglês, SEL – Social Emotional Learning) é o processo através do qual os alunos aprendem, dentro do currículo escolar, a refletir e efetivamente aplicar conhecimentos e atitudes necessários ao longo da vida escolar, educando os corações, inspirando mentes, materializando projetos e contribuindo para a transformação desses estudantes pela educação.

 

À vista disto, atualmente a inserção de competências e habilidades sociemocionais ao currículo tornou-se de suma importância, pois estas demonstraram ser “essenciais em qualquer aspecto da vida humana, inclusive para o desenvolvimento de competências com viés acadêmico, cognitivo e científico” (SAEDIGITAL, 2020).

Destarte, na educação técnica profissional, a demanda por desenvolver as competências socioemocionais também ocorreu, pelo fato de que no mercado de trabalho empresas estão em busca de profissionais capacitados, os quais desempenham as funções técnicas com qualidade e aplicam suas emoções para lidar com os desafios da profissão, por isso, as vezes aparecem em “anúncios de vagas os termos “empatia”, “autonomia”, “resiliência” e “capacidade de trabalhar em equipe” como atributos desejáveis” (SAEDIGITAL, 2020).

Assim sendo, o Centro Paula Souza é uma instituição de ensino profissionalizante, que foi fundada em 1969 pelo decreto-lei de 06 de outubro do mesmo ano, começando a atuar em 1970 contendo três cursos técnicos na área da Construção Civil. Desde aquela época a autarquia priorizou desenvolver cursos os quais atendessem “às necessidades e características dos mercados de trabalho nacional e regional” (BRASIL, São Paulo, p.1), além de possibilitar o “contínuo aperfeiçoamento profissional e o aprimoramento de sua formação cultural, moral e cívica” (BRASIL, São Paulo, p.1).

Por este motivo Etec e Fatec apresentam missões, as quais possibilitam a promoção da “educação pública profissional e tecnológica dentro de referenciais de excelência, visando o desenvolvimento tecnológico, econômico e social” (CENTRO PAULA SOUZA, São Paulo), visões que estimulam a “produtividade e competitividade da economia paulista” (CENTRO PAULA SOUZA, São Paulo) e valores, os quais viabilizam fatores como:

 

·         Valorização e desenvolvimento humano

·         Postura ética e comprometimento

·         Respeito a diversidade e a pluralidade

·         Compromisso com a gestão democrática e transparente

·         Cordialidade nas relações de trabalho

·         Responsabilidade e sustentabilidade

·         Criatividade e inovação (CENTRO PAULA SOUZA, São Paulo).

 

Consequentemente, às exigências da inserção deste tipo de competência ao currículo formativo, em 2019 a Administração Geral do Centro Paula Souza atualizou o perfil das competências socioemocionais aos quais devem ser aprofundadas no ensino propedêutico, elencou valores e atitudes as quais necessitam estimular o estudante de nível técnico ao “interesse pela realidade; [...] na resolução de situações-problema; e [...] a pesquisa, a utilização e a produção de conhecimento (CENTRO PAULA SOUZA, São Paulo, 2019, p.1).

Desta maneira as competências socioemocionais direcionam-se de modo a proporcionar ao estudante dos cursos técnicos:

 

• aprendizagem baseada em projetos;

• comunicação profissional/ argumentação;

• contextos do trabalho;

• trabalho por projetos;

• ética profissional;

• pensamento crítico;

• resolução de situações-problema;

• análise e tomada de decisão;

• flexibilidade comportamental;

• trabalho conjunto-colaborativo para alcance de objetivos comuns;

• empatia;

• desinibição;

• trato com pessoas em diversas posições hierárquicas;

• autonomia intelectual e de ação;

• estruturação de plano de carreira;

• empreendedorismo, inovação e novas tecnologias;

• continuidade de estudos;

• projeto de vida;

• reflexão sobre o próprio conhecimento, potencialidade e possibilidades. (CENTRO PAULA SOUZA, São Paulo, 2019, p.1)

 

Por consequência, os planos de curso das instituições técnicas devem fornecer ao estudante a capacidade de ter autonomia intelectual, para que este crie estratégias de modo a estabelecer no ambiente de trabalho relacionamentos interpessoais empáticos, éticos, e que interpretem as competências socioemocionais manifestadas pelos diversos membros da empresa, sabendo ouvi-los e compreendendo o ponto de vista de cada um.

Outras características a serem construídas pelo aluno do curso técnico são, a flexibilidade para tomar decisões em momentos repentinos, a adaptação para trabalhar em equipe, demonstrando espírito de liderança e sendo capaz compreender os vários tipos de situações, as quais podem-se estabelecer acordos. Por este motivo requer-se a ampliação das argumentações coerentes, além do encorajamento para as tomadas de decisões pautadas em análises e na aplicação do pensamento crítico para a resolução de situações-problemas.

Além disso, o discente precisa entender a importância de se manter com os gestores e colaboradores participação, planejamento, exposição de ideias, propósitos em comum, demonstrando a eles ter capacidade para a gestão do tempo hábil, comprovando também habilidades para manusear as diversas ferramentas digitais (TIC’s) e competência para desenvolver projetos, por isso é necessário à assimilação do que são o histórico e a cultura organizacional, em adição a  percepção de que no espaço coorporativo é preciso conhecer os termos técnicos/ científicos, os quais têm que se empregar nas documentações exigidas a cada área.

Portanto, o ensino técnico profissionalizante é estruturado instituindo-se não somente a aprendizagem técnica, mas também a aprendizagem socioemocional, a qual ao final da formação proporcionam condições para que o indivíduo se autoconheça, identificando suas potencialidades e estruture seu projeto de vida de maneira autônoma e ética.

 

3 A ADAPTAÇÃO DO ENSINO TÉCNICO EM RELAÇÃO AO COVID-19 E O ISOLAMENTO SOCIAL

 

Oito meses se passaram e a pandemia provocada pela Covid-19 ainda persiste, houve o afrouxamento de algumas medidas preventivas conforme o monitoramento da proliferação do vírus e realmente por alguns dias as infecções e as mortes diminuíram.

Entretanto, há poucos dias alguns países da Europa e dos Estados Unidos relataram as ocorrências de reinfestações em mamíferos pelo novo Corona vírus, atribuindo o agravamento do problema a uma nova mutação bem mais potente.

 

Identificada oficialmente pelo nome de 20A.EU1, essa cepa foi descrita em um artigo ainda não revisado por pares e publicado na plataforma online medRxiv.

Mais especificamente, os cientistas rastrearam o aparecimento dessa cepa do coronavírus entre trabalhadores no nordeste da Espanha e ela teria se espalhado, de forma rápida, por grande parte da Europa desde o verão. O estudo ainda sugere que pessoas que voltaram de férias na Espanha tiveram um papel fundamental na disseminação dessa variante pela Europa (FORATO, 2020).

 

Na Dinamarca, os visons se contaminaram por meio da aproximação com seres humanos e a partir da incubação do vírus houve uma mutação, a qual retornou aos homens de maneira mais agressiva, necessitando que as autoridades locais determinassem o extermínio de muitos animais da espécie.

Já no Brasil, pesquisadores da Universidade de Oxford descobriram por meio da sequenciação do genoma da Covid que desde o início da propagação aconteceram infecções causadas por três tipos de cepas modificadas, isto é, “pequenas mutações quase insignificantes que ocorreram no vírus” (BIERNATH, 2020) e se alastraram por todo o país, sendo que se diferenciaram dependendo do estado ou região onde manifestaram-se as contaminações.

Segundo esse mesmo grupo de estudiosos, enquanto não há remédios ou vacinas específicas, a possibilidade de uma reinfecção com características mais devastadoras podem acontecer em breve e as medidas preventivas, como isolamento social, distanciamento, utilização de máscaras, cuidados com a higiene e fechamento de locais que proporcionam aglomeração, as quais ajudaram na contenção da disseminação do vírus até o momento precisam ser mantidas. Assim, em uma visão otimista, a situação poderia ter sido bem pior [...] se comércio, escolas e demais estabelecimentos continuassem funcionando como antes (BIERNATH, 2020).

Desta maneira, o Centro Paula Souza, desde o início da pandemia respeitou as medidas de isolamento social, primeiramente estabelecendo um período de férias de modo a proteger seus colaboradores e compreender a manifestação virótica. Ademais, orientou os funcionários sobre o trabalho realizado em “home office” e realizou “uma série de capacitações, workshops e seminários online para aperfeiçoamento pedagógico dos professores” (SÃO PAULO, 2020). Assim tornou-se possível o aprimoramento da utilização de as ferramentas digitais, inclusive o Microsoft Teams, plataforma que possibilita a abertura de reuniões e os compartilhamentos de conteúdos.

Logo, no mês de abril houve o retorno das atividades escolares, entretanto, diferentemente, do modo tradicional, desta vez, devido a manifestação da Covid-19 as aulas voltaram de modo remoto, necessitando ser ministradas pela plataforma digital, o que causou grande estranhamento entre os estudantes, os quais também necessitaram ter acesso a internet e ao aplicativo do programa.

 

3.1 ESTUDO DE CASO: AS COMPETÊNCIAS SOCIOEMOCIONAIS, O ENSINO TÉCNICO E A PANDEMIA

 

Este estudo de caso foi estruturado por meio da observação de aulas remotas realizadas pela plataforma “Microsoft Teams”, conversa com os estudantes, além da análise de redações redigidas por alguns alunos sobre o momento de pandemia e a nova forma de estudar. Assim, a pesquisa apresentará os resultados obtidos através da investigação sobre as competências socioemocionais desenvolvidas durante os estudos neste momento de pandemia.

Dois mil e vinte tornou-se um ano atípico, diferente de todos os outros aos quais já havia vivido, ocorreram diversas adaptações a uma nova realidade que sair de casa transformou-se em algo perigoso, desta maneira foi preciso ambientação de vários setores sociais, inclusive das escolas as quais fecharam suas portas e necessitaram de planejamento rápido para poderem desenvolver um trabalho de qualidade, não deixando os alunos sem aulas. Logo, em referência ao assunto q diretora-superintendente do Centro Paula Souza (CPS) Laura Laganá explanou:

 

Este ano será lembrado pela força de superação de nossos estudantes, professores, servidores administrativos e gestores. Todos entenderam a gravidade da situação atual e buscaram alternativas para que o modelo da nossa instituição continue servindo de referência, tanto na qualidade de ensino quanto em exemplo de solidariedade (SÃO PAULO, 2020).

 

Desta maneira, o ensino técnico supervisionado pelo CPS optou pelo uso da ferramenta “Teams”, sendo “criadas quase 100 mil salas de aula síncronas online” (SÃO PAULO, 2020).

 A Etec Professor Idio Zucchi, foi a escola escolhida para realizar-se as observações do estudo de caso, esta unidade escolar fica localizada na cidade de Bebedouro, no estado de São Paulo, por este fato e pela denominação antiga estruturada em decreto, às vezes esta instituição técnica é conhecida pelos cidadãos da região como Etec Bebedouro.

Estando em funcionamento desde 2006, foi primeiramente utilizada como polo de extensão da cidade de Taquaritinga, tendo seu funcionamento junto a Escola Estadual Dr. Paraíso Cavalcanti. Após, em 2011, recebeu o nome atual e em 2014 mudou-se para um novo prédio, amplo, arejado e que atende às necessidades, as quais os estudantes precisam para adquirirem diversas aprendizagens, tanto práticas, quanto teóricas.

Atualmente essa escola técnica, possui quatro extensões que funcionam nas cidades de Jaboticabal, Pitangueiras, Viradouro e Bebedouro, na Estação Experimental de Citricultura. Assim, esta instituição oferece aos estudantes cursos técnicos profissionalizantes, ensino médio integrado e projetos realizados junto à comunidade.

Destarte, para que o trabalho desenvolvido por essa Etec continuasse sendo qualitativo mesmo após a chegada da Covid – 19 capacitaram-se o corpo docente e orientaram-se os alunos sobre o novo jeito de estudar “foram produzidos diversos tutoriais, cartilhas, vídeos e masterclasses para acolhimento dos jovens (SÃO PAULO, 2020) e os materiais necessários para a realização das aulas remotas.

Primeiramente, ao contato inicial com o estudo de modo virtual, sensações apresentadas pelos discentes foram de estranhamento, muitos não conseguiam conectar-se a plataforma por dificuldade de acesso, por problemas no e-mail institucional ou mesmo pelo fato do celular não comportar o aplicativo do programa. Já aqueles, que obtiveram a entrada na sala de reunião sentiram-se perdidos, alguns não compreenderam diversos comandos como o fechamento do microfone para que cada um se manifestasse em momentos diferentes, outros sentiram vergonha e não quiseram participar da conversa sobre como eram as experiências vividas nesse momento de pandemia.

Assim, a semana introdutória das aulas foi pautada em disponibilizar condições favoráveis de ingresso, além de disponibilizar explicações sobre como manusear a ferramenta digital, inclusive alguns alunos do ensino médio integrado ao técnico se sentiram sensibilizados pelos estudantes do ensino profissionalizante os quais tiveram dificuldades para compreender a execução do aplicativo e gravaram vídeos explicativos para ajudá-los.

Além disso, questões filantrópicas surgiram fazendo com que “paralelamente às aulas virtuais, estudantes e professores de diversas unidades se mobilizaram em iniciativas solidárias para ajudar suas comunidades locais” (SÃO PAULO, 2020)

Logo, a maioria dos discentes se acostumou com a nova maneira de estudar no ambiente digital, sendo que o “índice de aprovação do formato chegou a 85%” (SÃO PAULO, 2020). No entanto, ocorreram vários trancamentos de cursos e as justificativas enumeradas relacionavam-se as dificuldades de se adaptar ao estudo virtual.

No mês de julho aconteceu a divulgação do vestibulinho, avaliação para adquirir acesso ao curso técnico na segunda metade de 2020, mas neste momento pandêmico “foi organizado um novo modelo de avaliação sem a realização de provas presenciais. Por meio da análise do histórico escolar” (SÃO PAULO, 2020).

Assim, considerando a situação de alastramento da doença e aumento dos casos de pessoas infectadas, o número de inscritos não alcançou o patamar desejável, houve dificuldades para conseguir pessoas interessadas em prestar o vestibulinho para o ensino técnico, fato este provavelmente referente às dificuldades de acesso, incredulidade para reconhecer a eficácia do ensino virtual ou por medo de não conseguirem utilizar as ferramentas digitais durante as aulas remotas.

Consequentemente, após o início do segundo semestre foram realizadas algumas redações, as quais não eram obrigatórias de serem respondidas, Porém, o aluno que se sentisse a vontade poderia escrevê-la e entregar no ícone de tarefas da plataforma, assim trinta e seis estudantes de cursos diferentes estruturaram os textos e enviaram.

Na produção textual pedia-se para que fizessem um relato sobre quais foram os motivos que os levaram a escolha de estudar em uma escola técnica e como haviam reagido após saberem que haviam passado no vestibulinho. Depois eles deviam falar sobre as experiências de participarem das aulas de modo remoto e durante esse momento de pandemia quais competências socioemocionais estavam sendo desenvolvidas.

Assim sendo, os estudantes os quais desenvolveram as produções textuais disseram estar em busca de uma colocação no mercado de trabalho. Alguns já haviam prestado o vestibulinho para o ensino técnico quando as provas eram realizadas presencialmente e de maneira escrita, no entanto, não tinham conseguido obter notas favoráveis para a inserção ao curso, então a análise do histórico escolar facilitou a realização do objetivo de estudar na Etec e proporcionou a eles sensações como felicidade, medo por dar continuidade aos estudos, apoio familiar, possibilidade de planos futuros, entusiasmo pelas novas experiências, entre outras competências socioemocionais positivas.

Dentre os estudantes, os quais fizeram os seus relatos havia discentes graduados que priorizaram a formação técnica para adquirirem conhecimentos e qualificação, além de aumentarem a possibilidade de conseguirem um bom trabalho, fato este que os deixava frustrados perante as possibilidades apresentadas pelo mercado de trabalho.

Quanto a utilização da plataforma educacional a maioria deles achou esse tipo de aprendizagem cansativa, complicada, estressante pelo fato de, às vezes, não conseguirem manter interação com os outros membros do grupo, acumularem muitas atividades e terem dificuldades de utilizar o “Teams’”. Do mesmo modo, afirmaram que no início da formação demonstraram desânimo e dificuldade para lidar com a situação, assim chegaram a possibilitar a desistência do curso, porém tiveram de ser persistentes, determinados e estarem em busca do crescimento pessoal, além de tentarem diariamente se acostumar com a nova realidade. Desta forma, concordaram que nos dias atuais faz-se necessário ter competência digital para atuar no mercado de trabalho.

Apesar da adaptação com as ferramentas digitais, muitos alunos, os quais haviam começado os cursos técnicos anteriormente às exigências de isolamento social e também aqueles que não se adequaram às aulas remotas sentiam-se estressados, com vergonha e manifestaram implicitamente saudades da escola e das interações interpessoais, além de interesse pelo retorno presencial, mesmo sentindo insegurança por causa da pandemia, pois perante a qualquer dúvidas tinham a orientação dos professores e o apoio dos gestores para a realização de atividades extra-classe no ambiente escolar.

Para finalizar, grande parte dos estudantes, aos quais expuseram suas angústias e perspectivas por meio desta redação entenderam que realizar uma autoavaliação é um método importante de se conhecer e concordaram que o ensino remoto pela plataforma, no início, causou dificuldades, nervosismo, desânimo e perda do foco, além terem levado em consideração o trancamento da matrícula. Contudo, segundo eles as reflexões foram constantes durante esse momento pandêmico, então perceberam que para enfrentar alguns obstáculos, seria preciso atingir metas e concluir objetivos.

Portanto, a partir da análise dos textos, da conversa virtual com alguns estudante e pela observação comportamental dos mesmos no ambiente remoto tornou-se possível perceber que os estudantes, independente do curso escolhido, sentiram-se satisfeitos, felizes por ingressarem ao ensino técnico e que a escolha por esse tipo de aprendizagem proporcionaria a eles melhores chances de ingressar e evoluírem no mercado de trabalho. Entretanto, com o início da pandemia as perspectivas mudaram, pelo fato deles terem que utilizar o estudo de modo remoto e o uso da plataforma educacional, isso gerou desconfortos, angústias, medos, vergonha, entre outros sentimentos negativos na maioria dos alunos, os quais necessitaram de assimilação para que se acostumasse com as aulas online e voltassem a criar perspectivas presentes e futuras.

 

4 CONSIDERAÇÕES FINAIS

 

O acesso ao ensino técnico tornou-se uma realidade na vida de muitos cidadãos, pois possibilita de forma rápida e eficaz aprendizagens qualitativas profissionais, além de proporcionar maiores chances de acesso ao mercado de trabalho.

Por este motivo muitos jovens optam pela formação técnicas e as Etecs são escolas qualificadas muito requisitadas para o ingresso ao ensino propedeutico. Fato este que ocorre não somente pela excelência dos conteúdos ministrados serem estruturados por meio da construção de competências e habilidades, voltados a base técnológia relacionada a profissão escolhida, mas também por receber presencialmente o aluno de modo acolhedor, se preocupando com as aprendizagens e posturas as quais o mercado de trabalho exigirá dele durante o desempenho de suas funções.

Assim, esta pesquisa baseou-se na intenção de demonstrar que as pandemias podem modificar hábitos e competências socioemocionais dos estudantes. Além de cobrar medidas rápidas e exigir mudanças de comportamentos, os quais geram estranhamentos e desconforto, levando o ser humano, por vezes a pensamentos negativos e atitudes impensadas.

Portanto, com o fechamento das escolas e a inserção de aulas virtuais os paradigmas educacionais de aprendizagem mudaram rapidamente e os discentes necessitaram ingressar em um ambiente desconhecido sem ao menos terem chance de se adaptar anteriormente. Desta forma, muitos desistiram e outros necessitaram de apoio para continuar e se sentirem novamente capazes de estruturarem suas competências e habilidades para o desempenho das funções no mercado de trabalho.

 

REFERÊNCIAS

 

 

ALDERETE et al. Afinal, como o coronavírus age no organismo? Secretaria do Estado de Saúde de Minas Gerais, 2020. Disponível em: http://coronavirus.saude.mg.gov.br/blog/102-como-o-coronavirus-age-no-organismo. Acesso em 30 out 2020.

 

BARRETO, Clara. OMS declara doença pelo novo coronavírus como pandemia. Disponível em: https://pebmed.com.br/oms-declara-doenca-pelo-novo-coronavirus-como-pandemia/. Acesso em: 26 out 2020.

 

BIERNATH, André. 'Pandemia no Brasil começou com três linhagens do Coronavírus', diz pesquisador de Oxford’. Correio Braziliense. BBC News Brasil. São Paulo. Disponível em: https://www.correiobraziliense.com.br/brasil/2020/11/4888930-pandemia-no-brasil-comecou-com-tres-linhagens-do-coronavirus-diz-pesquisador-de-oxford.html. Acesso em: 14 nov 2020.

 

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). MEC/CONSED/UNDIME, 2017.Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/a-base. Acesso em: 08 nov 2020.

 

BRASIL. Ministério da Educação. Guia de Implementação da Base Nacional Comum Curricular. Orientações para o processo de implementação da BNCC. Um Guia feito por gestores, para gestores. Brasília: MEC/CONSED/UNDIME, 2017.

 

BRASIL. Decreto-lei de 06 de outubro de 1969. Atos Legislativos. São Paulo. 1969. Disponível em: https://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/decreto.lei/1969/decreto.lei-0-06.10.1969.html. Acesso em: 01 nov 2020.

 

BRASIL. Parecer CNE/CEB nº 16/99- Diretrizes Curriculares Nacionais para a

Educação Profissional de Nível Técnico. Brasília: MEC, 1999. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf_legislacao/tecnico/legisla_tecnico_parecer1699.pdf. Acesso em: 01 nov 2020.

 

CÂMARA, Fernando Portela. A pandemia esquecida. A cólera no Brasil. Pandemias, Virulência e Catástrofes. Vol. 25, nº 5. Disponível em: https://www.polbr.med.br/2020/05/01/a-pandemia-esquecida-a-colera-no-brasil/. Acesso em: 15 out 2020.

 

CENTRO PAULA SOUZA. Missão, Visão, Valores, Objetivos e Diretrizes. São Paulo. Disponível em: https://www.cps.sp.gov.br/missao-visao-objetivos-e-diretrizes/. Acesso em: 02 nov 2020.

 

CENTRO PAULA SOUZA. Planos de Cursos e Propostas Curricular. Etec Professor Alcídio de Souza Prado. Orlândia, São Paulo, ca 2010. Disponível em: https://etecalcidio.com.br/planos-de-cursos-e-proposta-curricular/. Acesso em: 12 nov 2020.

 

 

CENTRO PAULA SOUZA. Rol de Competências Socioemocionais. Administração Geral. Unidade do Ensino Médio e Técnico Grupo de Formulação e Análises Curriculares – Gfac, São Paulo, 2019. Disponível em: http://cpscetec.com.br/cpscetec/arquivos/2019/socioemocionais.pdf. Acesso em 05 nov 2020.

 

 

CONDE, MB et al. Tuberculose sem medo. Editora Atheneu. 1ª ed. São Paulo: 2002. História da tuberculose no mundo – REDETB. Disponível em: https://redetb.org.br/historia-da-tuberculose/. Acesso em: 20 out 2020.

 

 

DUTRA et al. Absorção do Conceito de Competência em Gestão de Pessoas: A Percepção dos Profissionais e as Orientações Adotadas pelas Empresas. Enanpad, 2006. Salvador, Bahia.

 

 

FERNANDES, Sarah. O que acontece na sua escola com as novas competências?. Saiba como as propostas vão transformar gestão, formação de professores, avaliação e PPP. Revista Nova Escola Digital. Disponível em: https://novaescola.org.br/bncc/conteudo/3/o-que-acontece-na-sua-escola-com-as-novas-competencias. Acesso em: 02 nov 2020.

 

 

FORATINI, Oswaldo Paulo. AIDS e sua origem. Artigo Scielo, v.27, nº 3, p. 153-156. Departamento de Epidemiologia Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo.  São Paulo, jun 1993.

 

 

FORATO, Fidel. Segunda onda da COVID-19 já começou lá fora; o Brasil está preparado? Disponível em: https://canaltech.com.br/saude/segunda-onda-da-covid-19-ja-comecou-la-fora-o-brasil-esta-preparado-174209/. Acesso em 09 nov 2020.

 

 

 

FREITAS, Keila. Surto, Pandemia, Epidemia E Endemia: Compreenda A Diferença. Disponível em: https://www.drakeillafreitas.com.br/surto-pandemia-epidemia-e-endemia/. Acesso em: 10 ago 2020.

 

 

G1 Educação. Fatecs e Etecs eliminam prova de vestibular e passam a considerar histórico escolar dos candidatos por causa da pandemia em SP. São Paulo, 2020. Disponível em: https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/educacao/noticia/2020/06/30/fatecs-e-etecs-eliminam-prova-de-vestibular-e-passam-a-considerar-historico-escolar-dos-candidatos-por-causa-da-pandemia.ghtml. Acesso em 15 nov 2020.

 

 

JR, Carlos Russo. Peste de Atenas: primeira emergência sanitária narrada é um retrato do presente. Diálogos do Sul. São Paulo. Disponível em: https://dialogosdosul.operamundi.uol.com.br/cultura/64467/peste-de-atenas-primeira-emergencia-sanitaria-narrada-e-um-retrato-do-presente. Acesso em: 10 ago 2020

NEIVA, Leonardo. Como colonizadores infectaram milhares de índios no Brasil com presentes e promessas falsas. BBC News Brasil. São Paulo, 2020. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-53452614. Acesso em: 20 nov 2020.

 

NEVES, Arthur Iago Lira; SILVA. Luiz Gabriel e. Aspectos gerais da febre tifoide. Seminários de Biomedicina do Univag 2016/2. Disponível em:
periodicos.univag.com.br.
Acesso em: 25 out 2020.

 

 

PINHEIRO, Pedro. Peste negra – história, sintomas e tratamento. Disponível em: https://www.mdsaude.com/doencas-infecciosas/peste-negra/. Acesso em: 20 ago 2020.

 

 

PREVIDELLI, Fábio. A gripe espanhola acabou?. Disponível em: https://aventurasnahistoria.uol.com.br/noticias/almanaque/como-a-gripe-espanhola-acabou.phtml. Acesso em: 07 set 2020.

 

 

SOBIOLOGIA. Varíola.  Disponível em: https://www.sobiologia.com.br/conteudos/Seresvivos/Ciencias/biovirus9.php.

Acesso em: 10 set 2020.

 

 

SAEDIGITAL. Competências Socioemocionais: o que são e como trabalhar em sala de aula. 2020. Disponível em: https://sae.digital/competencias-socioemocionais/. Acesso em: 05 nov 2020.

 

 

SÃO PAULO. Centro Paula Souza celebra 51 anos e vira exemplo de reinvenção na pandemia. Portal do Governo. 2020. Disponível em: https://www.saopaulo.sp.gov.br/ultimas-noticias/centro-paula-souza-celebra-51-anos-e-vira-exemplo-de-reinvencao-na-pandemia/. Acesso em: 14 nov 2020.

 

 

SCHATZMAYR, Hermann G. A varíola, uma antiga inimiga. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 1525-1530, nov-dez, 2001.

 

SHULZ, Peter. Apontamentos do século XIX em tempos de cólera para a Covid-19. Jornal da Unicamp versão web. Disponível em:

https://www.unicamp.br/unicamp/index.php/ju/artigos/peter-schulz/apontamentos-do-seculo-xix-em-tempos-de-colera-para-covid-19. Acesso em: 20 set 2020.

 

 

TESINI, Brenda L. Varíola. MD, University of Rochester School of Medicine and Dentistry. Disponível em: https://www.msdmanuals.com/pt/casa/infec%C3%A7%C3%B5es/poxv%C3%ADrus/var%C3%ADola. Acesso em: 18 set 2020.

 

 

TREVISOL. Fabiana Schuelter. A história da Aids: uma pandemia com 40 anos de existência. Agetec. Centro de Pesquisas Clínicas HNSC/UNISUL. 2020. Disponível em: https://notisul.com.br/colunistas/agencia-de-inovacao-e-empreendedorismo-da-unisul-agetec/a-historia-da-aids-uma-pandemia-com-40-anos-de-existencia/. Acesso em: 24 out 2020

 

 

 ZARAMELA, Luciana. As piores pandemias da história. Ciência Saúde. Disponível em: https://canaltech.com.br/saude/as-piores-pandemias-da-historia. Acesso em: 26 out 2020.



[1] AIDS é a sigla em inglês para Acquired Immunodeficiency Syndrome e foi traduzida para a língua portuguesa como Síndrome da Imunodeficiência Adquirida.

 


Recebido em 21 de novembro de 2020
Publicado em 08 de janeiro de 2021


Como citar este artigo (ABNT)

DUELLA, Vanessa Ribeiro. REIS, Deyse Almeida dos. Competências Socioemocionais do Ensino Técnico em Momento de Pandemia. Revista MultiAtual, v. 2, n. 1, 08 de janeiro de 2021. Disponível em: https://www.multiatual.com.br/2021/01/competencias-socioemocionais-do-ensino.html
COMPETÊNCIAS SOCIOEMOCIONAIS DO ENSINO TÉCNICO EM MOMENTO DE PANDEMIA COMPETÊNCIAS SOCIOEMOCIONAIS DO ENSINO TÉCNICO EM MOMENTO DE PANDEMIA Reviewed by Revista MultiAtual on janeiro 08, 2021 Rating: 5
Tecnologia do Blogger.