Revista MultiAtual - ISSN 2675-4592

O USO DE METODOLOGIAS ATIVAS COMO FERRAMENTA CAPAZ DE POTENCIALIZAR A APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA EM TEMPOS DE PANDEMIA

💢 Artigo em PDF


Fernanda Marcelle Miranda

Professora de Matemática do Ensino Médio Integrado do IFMG Bambuí. Técnica em Administração pela Escola Técnica de Formação Gerencial. Bacharel em Engenharia Química pelo Centro Universitário de Formiga. Licenciada em Matemática pela Universidade de Franca. Licenciada em Química pela Faculdade FAVENI

fernanda.prof.exatas@gmail.com

fernanda.miranda@ifmg.edu.br


Viviane Lima Martins

Doutora em Comunicação e Semiótica, licenciada em Letras, docente do curso de Pós-graduação lato sensu em Docência (IFMG - Campus Arcos). E-mail: viviane.martins@ifmg.edu.br


 

Resumo: A educação à distância (EAD) é um ensino remoto no qual há o distanciamento físico e a utilização de plataformas online. A EAD é centrada na autoaprendizagem do aluno, enquanto o professor acompanha as atividades e fornece apenas o suporte necessário. Devido ao cenário atual, muitas instituições foram forçadas a aderir ao ensino remoto devido ao isolamento social imposto. O artigo teve como objetivo a avaliação do uso das metodologias ativas como forma de potencializar a aprendizagem na educação à distância em tempos de pandemia. A pesquisa bibliográfica foi realizada através da utilização de livros, artigos científicos, dissertações e teses, disponibilizados pela plataforma do Google Acadêmico, avaliando fontes secundárias de documentações já analisadas e publicadas, atingindo o objetivo da pesquisa. Levando em consideração a pandemia do COVID-19, as instituições de ensino têm aderido de forma consciente a educação a distância adaptando-se às suas vantagens e desvantagens. Algumas das vantagens do EAD são a flexibilização dos locais e horários de estudo, a diminuição dos gastos e o ritmo de estudo próprio de cada aluno. As desvantagens sobrepõem-se, como a falta de adaptação às tecnologias digitais, a limitação da socialização, a falta de preparo dos professores e a dependência da internet, visto que muitos alunos não possuem acesso a computadores com internet. As metodologias ativas facilitam o processo de ensino-aprendizagem e estimulam a autoaprendizagem do aluno, sendo o professor apenas o facilitador do processo. Dentre as metodologias ativas utilizadas na EAD, destaca-se a aprendizagem baseada em problemas e a sala de aula invertida, responsáveis pela promoção de uma aprendizagem mais significativa.

 

Palavras-chave: Educação a distância. COVID-19. Metodologias ativas. Aprendizagem significativa.

 

 

Abstract: Distance education (EAD) is a remote education in which there is physical distance and the use of online platforms. EAD is centered on the student's self-learning, while the teacher monitors the activities and provides only the necessary support. Due to the current scenario, many institutions have been forced to join remote education due to the imposed social isolation. The article aimed to evaluate the use of active methodologies as a way to enhance learning in distance education in times of pandemic. The bibliographic research was carried out through the use of books, scientific articles, dissertations and theses, made available by the Google Scholar platform, evaluating secondary sources of documentation already analyzed and published, reaching the research objective. Taking into account the COVID-19 pandemic, educational institutions have consciously adhered to distance education adapting to its advantages and disadvantages. Some of the advantages of EAD are the flexibility of study locations and times, the reduction of expenses and the pace of study for each student. The disadvantages overlap, such as the lack of adaptation to digital technologies, the limitation of socialization, the lack of preparation of teachers and the dependence on the internet, since many students do not have access to computers with internet. Active methodologies facilitate the teaching-learning process and encourage student self-learning, with the teacher being only the facilitator of the process. Among the active methodologies used in distance learning, problem-based learning and the inverted classroom stand out, responsible for promoting more meaningful learning.

 

Keywords: Distance education. COVID-19. Active methodologies. Meaningful learning.

 

 

INTRODUÇÃO

 

No Brasil, a maior parte das instituições de ensino adotou a educação a distância na década de 90, mas a primeira legislação específica foi a Lei de Diretrizes e Bases na Educação Nacional, de 1961. Apesar de não ser uma modalidade de ensino recente, a educação a distância tem conquistado seu espaço na sociedade, principalmente com a introdução das tecnologias digitais da informação e comunicação no ensino básico.

A pandemia causada pelo novo coronavírus afetou várias áreas sociais, inclusive a área da educação. A necessidade do distanciamento social generalizado forçou o fechamento das escolas e suspendeu as atividades presenciais por tempo indeterminado, obrigando as instituições de ensino a adotarem o ensino remoto, do ensino básico ao ensino superior, para que os alunos não perdessem o ano letivo. Porém, a maioria dos professores se sentem despreparados para ministrar aulas online, e nem todos os alunos possuem acesso a computadores e internet, reforçando a desigualdade social.

Para manter a motivação dos alunos durante a pandemia e facilitar o processo de ensino e aprendizagem na educação à distância, os professores têm utilizado as metodologias ativas em substituição aos métodos tradicionais de ensino, garantindo uma aprendizagem efetiva e significativa.

A estrutura do artigo é composta pela introdução, fundamentação teórica, metodologia da pesquisa, análise de dados, considerações finais e referências bibliográficas. A pesquisa foi desenvolvida com o objetivo de avaliar o uso das metodologias ativas como ferramenta potencializadora da aprendizagem significativa na educação à distância em tempos de pandemia.

 

FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

 

Educação à distância

 

A primeira tecnologia que permitiu a educação à distância (EAD) foi a escrita. A invenção da escrita possibilitou a primeira forma de EAD, o ensino por correspondência. Posteriormente surgiu o livro, a tecnologia de maior contribuição na área da EAD, democratizando o conhecimento. Tardiamente, o surgimento do rádio, da televisão, e das tecnologias computacionais possibilitou uma nova dinâmica ao EAD. Cada evolução tecnológica introduziu novos elementos à relação ensino-aprendizagem (SOEK; GOMES, 2008).

A EAD é uma modalidade de ensino na qual ocorre uma separação física entre o docente e o discente, rompendo as fronteiras da sala de aula. Por meio dela, o ensino é mediado através das Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação (TDIC) (ROSA, 2017; SILVA, 2019).

O conceito de EAD é definido oficialmente no Decreto nº 5.622 de 19 de dezembro de 2005:

 

Art. 1° Caracteriza­-se a Educação a Distância como modalidade educacional na qual a mediação didático-pe­dagógica nos processos de ensino e aprendi­zagem ocorre com a utilização de meios e tecnologias de informação e comunicação, com estudantes e professores desenvolvendo atividades educativas em lugares ou tempos diversos (BRASIL, 2005).

 

A introdução da EAD na legislação educacional originou-se em 20 de dezembro de 1961, com a Lei Federal nº 4.024/61 (BRASIL, 1961).

Na EAD, o processo de aprendizagem é centrado no aluno, e o professor tutor acompanha as atividades fornecendo o suporte necessário.

A EAD expandiu-se, sendo autorizada no nível superior, graduação e pós-graduação; e na educação básica, ensino fundamental e médio (GAMBARRA, 2015).

 

Educação a distância durante a pandemia

 

Devido a pandemia do COVID-19, medidas de isolamento social foram adotadas para prevenir e reduzir a propagação da doença, determinando-se o fechamento das instituições de ensino com suspensão das aulas e atividades presenciais, viabilizando o ensino remoto (CAMACHO et al., 2020).

O distanciamento social, tem sido utilizado como forma de prevenir a expansão do vírus, decretando o fechamento dos comércios considerados não essenciais, como as escolas, porém, o isolamento reforça a exclusão, a injustiça e o aumento das desigualdades (SANTOS, 2020; PAZ, 2020).

Na educação básica, crianças e adolescentes tiveram as atividades escolares suspensas por tempo indeterminado. Universitários, pós-graduandos e estudantes da educação tecnológica, também tiveram as atividades acadêmicas suspensas. Os professores foram dispensados de suas atividades presenciais para trabalhar remotamente (JOYE; MOREIRA; ROCHA, 2020).

A educação está sendo modificada pela adaptação dos alunos e professores. Diversos ambientes digitais de aprendizagem gratuita estão disponíveis para uso no ensino remoto, como: Sistema Moodle, Google Clasroom, Youtube, Facebook, StreamYard, OBS Estúdio, Google Drive, Google Meet e Jitsi Meet (PASINI; CARVALHO; ALMEIDA, 2020).

O isolamento social surpreendeu alunos e professores com essa mudança repentina no sistema de ensino. Os professores não estavam preparados para as tecnologias do ensino remoto, e a maioria deles não possuem formação inicial ou continuada para ministrar aulas online. Nem todos os alunos possuem acesso a computadores e internet de qualidade, aumentando, assim, a desigualdade social.

Para que o ensino remoto seja eficaz durante a pandemia, é necessário que as escolas se adaptem e desenvolvam estratégias didáticas que proporcionem o ensino e a aprendizagem de forma igualitária.

 

A educação à distância redefine os papéis do professor e do aluno

 

Conforme Chermann e Bonini (2000):

 

No ensino a distância o aluno é o cento do processo de aprendizagem e deve ser levado a desenvolver habilidades para o trabalho independente, para a tomada de decisões e esforço auto responsável; o professor nada mais é que um tutor, um agente facilitador da aprendizagem. Ele deve desenvolver no aluno a capacidade de selecionar informações, de refletir e decidir por si mesmo. É preciso lembrar que o professor deve ser, antes de mais nada, um eterno estudante, pois não é o dono do conhecimento; ele é, sim, melhor conhecedor dos caminhos que levam a esse conhecimento (CHERMANN; BONINI, 2000, p. 26).

 

Na relação professor-aluno na EAD, o professor-tutor deve incentivar a autonomia dos alunos, para que eles superarem as dificuldades e formulem seu próprio conhecimento (IVASHITA; COELHO, 2009).

Na educação presencial, os professores utilizam recursos tradicionais, como quadro e giz. Já na educação a distância o ensino depende da informática, utilizando-se recursos como webconferências, vídeo-aulas, fóruns de discussão e chats (ZAMUDIO, 1997).

A EAD é um cenário de autoformação, que permite ao aluno a autonomia e a autoaprendizagem, sendo o próprio aluno o gestor da sua aprendizagem (TEODORO, 2015).

O professor da EAD diferencia-se dos professores do ensino presencial, não em relação pedagógica, mas institucional.

 

Metodologias ativas para o ensino-aprendizagem na educação à distância

 

A metodologia ativa visa estimular a autoaprendizagem e a curiosidade do estudante, sendo o professor apenas o facilitador do processo. O uso das metodologias ativas estabelece autonomia e liberdade ao educando, de modo que ele participe ativamente do processo de ensino-aprendizagem, como indivíduo crítico, reflexivo e construtor do conhecimento (FREIRE, 1997).

As metodologias ativas baseiam-se na resolução de problemas, de modo que os alunos encontrem caminhos, alternativas, possibilidades e escolhas adequadas perante contextos complexos. Favorecem o desenvolvimento de competências, problematizando e ressignificando saberes em busca da construção de novos conhecimentos (OLIVEIRA et al., 2015).

Conforme Christofolettiet et al. (2014), a internet e as TDIC’s contribuíram para a expansão e disseminação das metodologias ativas.

As metodologias ativas são capazes de promover um processo de ensino-aprendizagem satisfatório na EAD, destacando-se a aprendizagem baseada em problemas, a sala de aula invertida, a aprendizagem entre pares, e a gamificação.

A aprendizagem baseada em problemas (ABP) consiste no ensino por meio da solução de problemas reais ou simulados, desenvolvendo no aluno hábitos de raciocínio, pesquisa e habilidades de resolução. A ABP promove uma aprendizagem centrada no aluno, sendo os professores meros facilitadores do processo de produção do conhecimento (BARROWS, 1986).

Segundo Sardo (2007):

 

O problema é utilizado para: ajudar os alunos a identificarem suas próprias necessidades de aprendizagem, enquanto tentam compreender o problema; pensar em conjunto; sintetizar a aplicar informação ao problema e começar a trabalhar efetivamente para aprender com os membros do grupo e com os tutores (SARDO, 2007, p. 79-80).

 

A sala de aula invertida, derivada do ensino híbrido, é uma metodologia ativa que prepara os alunos para as aulas através de recursos a distância, ampliando a absorção do conhecimento por meio da EAD. A ideia da sala de aula invertida é oferecer aos alunos aulas menos expositivas e promover o engajamento, em oposição ao tradicional modelo de ensino (YAMAMOTO, 2016).

Na sala de aula invertida o aluno torna-se sujeito de sua própria aprendizagem, e o professor mantém seu papel de mediador entre o conhecimento elaborado e o aluno (SCHNEIDER et al., 2013).

A aprendizagem entre pares tem como objetivo tornar as aulas mais interativas, fazendo com que os alunos interajam entre si, explicando uns aos outros os conceitos estudados e aplicando-os nas soluções das questões propostas (PINTO et al., 2013).

Por fim, a gamificação traz uma proposta inovadora na EAD, que consiste na aplicação de jogos como facilitador no processo de aprendizagem, auxiliando na resolução de problemas diversos (KAPP, 2012).

A aprendizagem significativa é consequência das metodologias ativas e realiza-se quando os novos conhecimentos adquiridos, as ideias e as informações que apresentam uma estrutura lógica, interagem com os conhecimentos prévios do aluno, disponíveis na estrutura cognitiva (MOREIRA, 1982).

Para uma aprendizagem significativa na EAD é necessário que o professor incentive o educando na busca de um amadurecimento intelectual, social, interpessoal e intrapessoal utilizando a participação como metodologia no processo de ensino-aprendizagem (SILVA; RIBAS; KANUT, 2014).

 

METODOLOGIA DA PESQUISA

 

O artigo caracterizou-se como uma pesquisa bibliográfica de caráter exploratório, descritivo e qualitativo, na qual adotou-se um levantamento bibliográfico fundamentado em livros, artigos científicos, dissertações e teses, disponibilizadas pela plataforma do Google Acadêmico.

Executou-se a busca nas bases de dados por meio dos seguintes descritores: “metodologias ativas”; “aprendizagem significativa”, “educação à distância”; “metodologias ativas na educação à distância”; e “educação à distância durante a pandemia do COVID-19”.

Por se tratar de uma pesquisa bibliográfica, caracteriza-se pela utilização de fontes secundárias, de documentações já analisadas e publicadas que permitiram atingir o objetivo da pesquisa. Futuramente, essa base de dados será ampliada considerando o ano de 2020 como marco inicial do isolamento social e a introdução do ensino remoto na educação básica, do ensino fundamental ao médio.

 

ANÁLISE DE DADOS

 

A EAD tornou-se necessária devido ao isolamento social imposto pela pandemia do COVID-19, decretando o fechamento de todos os comércios não-essenciais e a suspensão das aulas presenciais em todas as modalidades de ensino.

A EAD apresenta vantagens e desvantagens quando comparada ao ensino presencial:

·      Vantagens: flexibilização dos locais e horários de estudo; diminuição do gasto com deslocamento; alternativa aos alunos de áreas distantes que tem dificuldade de se deslocar até a escola do ensino básico; possibilidade de equilíbrio entre a vida pessoal e a vida profissional; abrangência de uma maior quantidade de alunos; o aluno adota seu próprio ritmo de estudo; as aulas ficam salvas e podem ser reprisadas.

·      Desvantagens: o ensino online não é democrático; nem todos os alunos possuem acesso à computadores e redes de internet; professores despreparados para o ensino remoto; dificuldade de adaptação às ferramentas digitais; limitação da socialização do aluno; maior disciplina e organização por parte dos alunos; maiores custos de implantação; alto nível de desistência; jornadas de trabalho mais extensas para os professores; pais e responsáveis assumiram o papel dos professores; escola básica presencial garante a alimentação dos alunos carentes; qualidade inferior ao ensino presencial (MUSSIO, 2020).

 

O COVID-19 forçou a criatividade dos professores para a transmissão de uma educação de qualidade, através da utilização das metodologias ativas. As metodologias aplicadas na EAD promovem uma aprendizagem significativa, tornando o aluno sujeito de sua própria aprendizagem, enquanto o professor age apenas como orientador.

 

CONSIDERAÇÕES FINAIS

 

Durante o isolamento social provocado pela pandemia, os professores têm enfrentado o desafio de disponibilizar atividades remotas aos estudantes, garantindo o acesso as atividades pedagógicas através de plataformas digitais, como medida de prevenção e combate ao contágio do novo coronavírus.

Devido ao isolamento social repentino, professores e alunos sofrem com a necessidade da utilização de ferramentas digitais em substituição as aulas presenciais. Os professores não estavam preparados para ensinar online e não receberam o suporte necessário para atuar no ensino a distância, e nem todos os alunos conseguem participar ativamente do ensino remoto pela falta de acesso a computadores, celulares ou redes de internet.

A utilização das metodologias ativas transforma o processo de ensino e aprendizagem, onde os alunos deixam de ser agentes passivos e se tornam protagonistas do processo de aprendizagem. No ensino a distância as metodologias constituem estratégias, métodos e técnicas promotoras de aprendizagem significativa, aumentando a qualidade do ensino e da aprendizagem, mesmo que remotamente.

 

REFERÊNCIAS

 

BARROWS, H. S. A Taxonomy of Problem-Based Learning methods. Medical Education, v. 20, p. 481-486, 1986.

 

BRASIL. Lei nº 4.024, de 20 de dezembro de 1961. Fixa as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília: 1961.

 

BRASIL. Leis e Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Decreto n. 5.622, de 19 de dezembro de 2005. Regulamenta o art. 80 da Lei 9.394/96, 20 dez. 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, ano 134, n. 248, p. 27833-27841, dez. 2005.

 

CAMACHO, A. C. L. F. et al. Alunos em vulnerabilidade social em disciplinas de educação à distância em tempos de COVID-19. Research, Society and Development, v. 9, n. 7, 2020.

 

CHERMANN, M.; BONINI, L. M. Educação a distância: novas tecnologias em ambientes de aprendizagem pela Internet. Universidade Braz Cubas, 2000.

 

CHRISTOFOLETTI, G. et al. Grau de satisfação discente frente à utilização de métodos ativos de aprendizagem em uma disciplina de Ética em saúde. Revista Eletrônica de Educação, v. 8, n. 2, p.188–197, 2014.

 

FREIRE, P.  Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 3 ed. São Paulo: Paz e Terra. 1997.

 

GAMBARRA, J. R. A. O professor que ensina matemática formado em ambientes virtuais de aprendizagem à distância. Tese de Doutorado em Educação Matemática apresentada ao Instituto de Geociências e Ciências Exatas da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, 2015, 207 p.

 

IVASHITA, S. B.; COELHO, M. P. EAD: o importante papel do professor-tutor. In: IX Congresso Nacional de Educação, EDUCERE; III Encontro Sul Brasileiro de Psicopedagogia, 2009.

 

JOYE, C. R.; MOREIRA, M. M.; ROCHA, S. S. D. Educação a distância ou atividade educacional remota emergencial: em busca do elo perdido da educação escolar em tempos de COVID-19. Research, Society and Development, v. 9, n. 7, 2020.

 

KAPP, K. The Gamification of Learning and Instruction: Game-basedMethods and Strategies for Training and Education. Pfeiffer, 2012.

 

MOREIRA, M. A. Aprendizagem significativa: a teoria de David Ausubel. São Paulo, 1982.

 

MUSSIO, S. C. Reflexões sobre as modalidades de estudo na educação a distância: benefícios e limitações. Revista Educação a Distância e Práticas Educativas Comunicacionais e Interculturais, v. 20, n. 1, p. 119-129, 2020.

 

OLIVEIRA, L. R. et al. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem e suas convergências com as Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação. In: ENCUENTRO IBÉRICO EDICIC, 7, Universidad Complutense de Madrid, Madrid, 2015. Desafíos y

oportunidades de las Ciencias de la Información y la Documentación en la era digital: actas del VII Encuentro Ibérico EDICIC 2015.

 

PASINI, C. G. D.; CARVALHO, E.; ALMEIDA, L. H. C. A educação híbrida em tempos de pandemia: algumas considerações. Observatório Socioeconômico da COVID-19, 2020.

PAZ, H. As desigualdades sociais que a pandemia da covid-19 nos mostra. 2020. Disponível em: <https://www.brasildefato.com.br/2020/04/04/artigo-as-desigualdades-sociais-que-a-pandemia-da-covid-19-nos-mostra>. Acesso em: 11 nov. 2020.

 

PINTO, A. S. S. et al. O Laboratório de Metodologias Inovadoras e sua pesquisa sobre o uso de metodologias ativas pelos cursos de licenciatura do UNISAL, Lorena: estendendo o conhecimento para além da sala de aula. Revista Ciências da Educação, ano XV, v. 2, n. 29, p.67–79, 2013.

 

ROSA, A. A. C. As tecnologias digitais de informação e comunicação (TDIC) e o ensino a distância: reflexões para estudos de currículo. The Especialist: Descrição, Ensino e Aprendizagem, v.38, n.2, p.1-23, 2017.

 

SANTOS, A. M. Educação a distância: análise dos desafios futuros. Brazilian Journal of Development, v. 6, n. 7, p. 45341-45354, 2020.

 

SARDO, P. M. G. Aprendizagem baseada em problemas em reanimação cardiopulmonar no ambiente virtual de aprendizagem Moodle. Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Santa Catarina, 2007, 226 p.

 

SCHNEIDER, E. I. et al. Sala de aula invertida em EAD: uma proposta de Blended Learning. Revista Intersaberes, v. 8, n. 16, p. 68-81, 2013.

 

SILVA, E. V. Educação a distância: uma realidade na formação docente inicial. Brazilian Journal of Development, Curitiba, v. 5, n. 7, p. 9854-9866, 2019.

SOEK, A. M.; GOMES, D. L. As relações de ensino/aprendizagem na educação a distância e o trabalho do tutor como mediador do conhecimento. Revista Intersaberes, ano 3, n. 6, p. 166-176, 2008.

 

SILVA, J. M.; RIBAS, C. C. C.; KNAUT, M. C. J. A relação professor/aluno na EAD e a promoção da aprendizagem significativa. Ensaios Pedagógicos, 2014.

 

TEODORO, R. A. P.  Perspectivas da educação a distância no ensino da matemática. Revista Multitexto, v. 3, n. 2, 2015.

 

YAMAMOTO, I. Metodologias ativas de aprendizagem interferem no desempenho de estudantes. Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Administração do Departamento de Administração da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo, 2016, 101 p.

 

ZAMUDIO, J. A. Uma experiencia puntual de Educación a Distancia: multimedia UPN, educación para los medios. In: CAFIERO, M; MARAFIOTI, R; TAGLIABUE, N. Atracción Mediática: El fin de Siglo en la Educación y la Cultura. Buenos Aires, Biblos, 1997.

 


Recebido em 12 de novembro de 2020
Publicado em 08 de janeiro de 2021


Como citar este artigo (ABNT)

MIRANDA, Fernanda Marcelle. O Uso de Metodologias Ativas como Ferramenta capaz de Potencializar a Aprendizagem Significativa na Educação à Distância em Tempos de Pandemia. Revista MultiAtual, v. 2, n. 1, 08 de janeiro de 2021. Disponível em: https://www.multiatual.com.br/2021/01/o-uso-de-metodologias-ativas-como.html
O USO DE METODOLOGIAS ATIVAS COMO FERRAMENTA CAPAZ DE POTENCIALIZAR A APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA EM TEMPOS DE PANDEMIA O USO DE METODOLOGIAS ATIVAS COMO FERRAMENTA CAPAZ DE POTENCIALIZAR A APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA EM TEMPOS DE PANDEMIA Reviewed by Revista MultiAtual on janeiro 08, 2021 Rating: 5
Tecnologia do Blogger.